02122020Qua
AtualizadoQua, 02 Dez 2020 2pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Marcadores de risco no câncer de pulmão

Pulm o Horiz NET OKEstudo publicado na edição de novembro da Oncogene identificou e avaliou marcadores de risco para câncer de pulmão a partir de testes de sequenciamento genético. A conclusão dos autores indica 13 loci de risco e confirma que a pesquisa de microssatélites pode ajudar a estratificar o risco, fornecer suporte à decisão clínica e identificar potenciais alvos terapêuticos.

 

O câncer de pulmão tem altas taxas de incidência, com 224 mil novos casos projetados para este ano em todo o mundo, superando sozinho a soma de quatro tumores bastante prevalentes (colorretal, pancreático, mama e próstata). Somente 18% dessa população de pacientes sobrevivem em 5 anos, o que reforça a importância da detecção precoce. “O câncer de pulmão sublinha o valor de um diagnóstico de risco genético, especialmente para a triagem da população de risco”, escrevem os autores. O estudo lembra, ainda, que cerca de 80-85% dos tumores de pulmão são de não pequenas células (CPNPC) e reforça que o diagnóstico precoce impacta significativamente a taxa de sobrevida em 5 anos: estágio IA-49 %, estágio IB - 54%, estágio IIA - 30%, estágio IIB - 31%, estágio IIIA - 14%, estágio IIIB - 5% e estágio IV - 1%.

Estudos recentes demonstraram que os microssatélites contribuem para a complexidade genética de vários tipos de câncer. Com base nesses achados, os pesquisadores partiram da hipótese de que os microssatélites também poderiam desempenhar papel importante na genética do câncer de pulmão. De fato, foram identificados 119 loci de microssatélites potencialmente relevantes e verificou-se que esses loci conseguiram distinguir amostras de câncer das amostras de controle, com taxas de sensibilidade e especificidade superiores a 0,8. Em seguida, estes loci foram avaliados por sequenciamento.

Resultados

Treze dos 119 marcadores de risco revelaram-se informativos (> 0,99 para um intervalo de confiança de 0,95) usando sequenciamento em profundidade (579x ± 315) de 30 amostras de câncer de pulmão e 89 amostras de controle, resultando em sensibilidade e especificidade de 0,90 e 0,94, respectivamente. Quando 8 loci colhidos da análise de outros tipos de câncer foram adicionados ao classificador, a sensibilidade e especificidade aumentaram para 0,93 e 0,97, respectivamente.

A análise dos loci revelou dois genes (ARID1B e REL) e duas vias significativamente enriquecidas (organização da cromatina e resposta ao estresse celular), sugerindo que o processo de carcinogênese do pulmão está relacionado à reestruturação da cromatina, à inflamação e ao microambiente tumoral. Para os autores, essa plataforma baseada em microssatélites confirma o potencial para criar diagnósticos clinicamente acionáveis para o câncer de pulmão.

A íntegra do artigo está disponível, em acesso aberto.

Referência: K R Velmurugan, R T Varghese, N C Fonville and H R Garner - High-depth, high-accuracy microsatellite genotyping enables precision lung cancer risk classification Oncogene 2017 36: 6383-6390; advance online publication, July 31, 2017; 10.1038/onc.2017.256

 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519