20062021Dom
AtualizadoQui, 17 Jun 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Ioga como terapia de suporte para pacientes com câncer de pulmão e seus cuidadores

Ioga NET OKUm ensaio de viabilidade com pessoas com câncer de pulmão avançado que receberam radioterapia e seus cuidadores demonstrou que a Ioga traz benefícios para os dois grupos. As descobertas foram apresentadas no 2017 Palliative and Supportive Care in Oncology Symposium, em San Diego, Califórnia.

"Sabemos de estudos anteriores que as pessoas podem praticar exercícios físicos enquanto estão em tratamento com quimioterapia ou radioterapia", disse o autor principal do estudo, Kathrin Milbury, professor assistente no Departamento de Cuidados Paliativos e Medicina de Reabilitação da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center em Houston, Texas.

"Os cuidadores às vezes têm mais ansiedade e distúrbios de sono do que os pacientes. Portanto, pensamos que ter o paciente e o cuidador passando juntos pela instrução de ioga seria benéfico para ambos", acrescentou.

Pesquisas anteriores mostraram que mulheres com câncer de mama se beneficiam de um regime de exercícios. Como as pessoas com câncer de pulmão geralmente têm mais sintomas, são mais velhas e em pior forma física do que as mulheres com câncer de mama, os pesquisadores acreditavam que a ioga era um exercício de baixo impacto que os pacientes podiam realizar com facilidade. Além disso, a prática tem uma forte ênfase na respiração, uma questão importante para as pessoas com câncer de pulmão que muitas vezes têm falta de ar.

"Escolher ioga como forma de exercício para uso neste estudo foi importante porque é um exercício adaptável para as necessidades dos pacientes, e permite facilmente que parceiros participem das práticas", disse Milbury. "Entre as poses de ioga que escolhemos incluir neste estudo estão os exercícios que enfatizam o alongamento da área do tórax junto com a respiração profunda".

Sobre o Estudo

Todos os pacientes do estudo apresentaram câncer de pulmão avançado irressecável, estavam recebendo radioterapia torácica e a maioria também recebeu quimioterapia. Cada paciente participou com um cuidador familiar. Os pares foram atribuídos aleatoriamente a aulas de ioga ou a uma lista de espera para futura instrução de ioga (grupo de controle).

Na inscrição do estudo, os participantes completaram uma pesquisa de 36 pontos que avaliou sua qualidade de vida. Os pacientes com câncer de pulmão também completaram um teste de caminhada de 6 minutos. A avaliação de acompanhamento dos pares foi feita quando a radioterapia terminou e, novamente, após três meses.

O programa enfatizou três áreas-chave: posturas físicas, exercícios de respiração e meditação. O desenho do estudo, que incluiu 15 sessões de ioga com duração de 60 minutos cada, foi baseado em resultados de pesquisas anteriores sobre yoga em pessoas com câncer de mama em Bangalore, na Índia, e confirmadas por ensaios maiores nos Estados Unidos.

Resultados

Vinte e seis pares completaram todas as avaliações e o número médio de sessões de ioga concluídas foi de 12. Pouco mais da metade dos pacientes eram homens com idade média nos 60 anos, enquanto dois terços dos cuidadores eram mulheres cuja idade média era de aproximadamente 60 anos.

Ao comparar os pares de ioga com os pares da lista de espera (grupo controle), os pesquisadores descobriram que os pacientes que praticavam ioga possuíam uma função física significativamente melhor, avaliada pelo teste de caminhada de 6 minutos (uma pontuação de 478 contra 402 para alunos de ioga versus lista de espera) melhor resistência para realizar trabalhos ou atividades diárias e melhora da saúde mental, enquanto os cuidadores que receberam instrução de ioga tiveram melhorias na fadiga e na resistência durante o trabalho.

"Este foi um estudo de viabilidade, por isso é muito difícil avaliar os efeitos específicos da intervenção, mas esse será um próximo passo em nossa pesquisa", disse Milbury.

Os pesquisadores ressaltam que não foi demonstrado que a ioga é superior a outras formas de exercício, como natação ou caminhadas, mas acreditam que demonstraram que é uma experiência holística. Os inscritos incluíram apenas pacientes do MD Anderson e não constituíram uma população racialmente diversa. Uma maior inclusão será um objetivo de futuros esforços de pesquisa.

"Atualmente, há poucas pesquisas sobre cuidados comportamentais de suporte a pessoas com câncer de pulmão", disse Milbury. "Nós tentamos olhar para uma maneira de aumentar o bem-estar do paciente e do cuidador, tanto física como mentalmente, como um meio para melhorar os cuidados de suporte".

Os pacientes no estudo relataram que era bom estar longe de sua experiência de câncer durante as sessões de ioga, e os pacientes e cuidadores observaram que eles gostaram de aprender algo novo juntos. "Ficamos emocionados ao saber que muitos dos nossos pares disseram que continuariam a fazer ioga sozinhos", concluiu Milbury.

O estudo foi financiado pelo National Institutes of Health.

Informação do ensaio clínico: NCT02196844

Referência: Randomized controlled trial (RCT) of a dyadic yoga program for lung cancer patients undergoing radiotherapy and their family caregivers. - Abstract No: 125 - Poster Board Number: Poster Session A (Board #D11) - Citation: J Clin Oncol 35, 2017 (suppl 31S; abstract 125) - Kathrin Milbury et al

 


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519