31072021Sáb
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Imunoterapia: segunda geração aposta nos inibidores IDO

sales_of_first_generation_immunotherapies_have_surged.jpgA acirrada disputa entre os modernos inibidores de checkpoint alimenta um mercado de bilhões de dólares e faz da imuno-oncologia o carro chefe do pipeline de grandes companhias farmacêuticas globais (veja gráfico). Agora, depois da geração de agentes anti PD-1/PD-L1, a novidade vem dos inibidores de IDO, a indoleamina 2,3-dioxigenase (IDO), enzima que cataboliza o aminoácido triptofano e inibe a proliferação de linfócitos T.

Em uma transação de 1,25 bilhão de dólares, a Bristol-Myers Squibb incorporou a Flexus Biosciences e adquiriu em 2015 as pesquisas com inibidores de IDO (BMS-986205). A Pfizer é outra a apostar na nova geração de imunoterapias no tratamento do câncer, em colaboração com a iTeos Therapeutics, e apresenta em junho na ASCO estudos iniciais com inibidores de IDO (PF-06840003).
 
Entre as biotechs, o destaque é a Incyte, companhia que em 2016 gerou lucro líquido de 104 milhões de dólares e está à frente dos estudos com o agente epacadostat.
 
Em alta
 
Estimativas da consultoria BioPharm Insight (BPI) sinalizam que as vendas com imuno-oncologia devem se manter aquecidas. Os anti PD-1 continuam na liderança e nivolumabe (Opdivo) da BMS deve movimentar um volume global de vendas superior a U$ 12 bilhões em 2022, ultrapassando os US$ 7.7 bilhões previstos com as vendas de pembrolizumabe (Keytruda) no mesmo ano.
 
A imprensa internacional confirma as perspectivas. Em reportagem veiculada em abril, o Financial Times aponta a tendência de alta no volume de vendas da primeira geração de inibidores de checkpoint imunológico.
 

 


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519