03122020Qui
AtualizadoQua, 02 Dez 2020 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Uso regular de aspirina e menor mortalidade por câncer

Aspirina_NET_OK.jpgO uso regular de aspirina a longo prazo foi associado a redução do risco de morte por diversos tipos de câncer. Os dados do estudo observacional foram apresentados no congresso anual da American Association for Cancer Research (AACR 2017), que aconteceu entre os dias 1 e 5 de abril em Washington, Estados Unidos.

"Evidências acumuladas sugerem que a aspirina não só reduz o risco de desenvolver câncer, mas também pode desempenhar um papel importante na redução da morte por câncer", disse Yin Cao, principal autora do estudo e instrutora de medicina na Harvard Medical School.

Pesquisas anteriores demonstraram que a aspirina pode prevenir doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer, particularmente o câncer colorretal, o que motivou o U.S. Preventive Services Task Force a recomendar aspirina em baixa dose para adultos de 50 a 69 anos para a prevenção dessas doenças.

Neste estudo, Cao e colegas procuraram explorar ainda mais o papel da aspirina na mortalidade global e câncer-específica, examinando o uso de aspirina em uma variedade de doses e duração de uso. Os pesquisadores estudaram 86.206 mulheres inscritas no Nurses 'Health Study entre 1980 e 2012 e 43.977 homens matriculados no Health Professionals Follow-Up Study entre 1986 a 2012. Eles avaliaram o uso de aspirina no baseline e, em seguida, a cada dois anos após a primeira avaliação.
 
Os resultados do estudo mostraram que durante os 32 anos de seguimento, 22.094 mulheres e 14.749 homens morreram. Destes, 8.271 mulheres e 4.591 homens morreram de câncer.
 
Em comparação com o uso não regular de aspirina, o risco global de mortalidade foi 7% menor para as mulheres e 11% menor para os homens que usavam aspirina regularmente. O risco de mortalidade por câncer foi 7% menor para as mulheres e 15% menor para os homens que usavam aspirina regularmente. Os pesquisadores observaram benefícios em doses variando de 0,5 comprimidos de aspirina por semana a sete comprimidos de aspirina por semana.
 
A maior redução no risco relativo foi para câncer colorretal - 31% para mulheres e 30% para homens que tomavam aspirina regularmente. As mulheres que tomaram aspirina tiveram um risco 11% menor de morrer de câncer de mama, e os homens que tomaram aspirina tiveram um risco de 23% de morrer de câncer de próstata.
 
Cao disse que o estudo ajudou a confirmar o crescente corpo de evidências sobre os benefícios do uso regular da aspirina.
 
"Essas descobertas sugerem que os benefícios estabelecidos da aspirina em doenças cardiovasculares e redução do câncer colorretal podem se estender a outras causas comuns de morte, incluindo vários principais cânceres", disse Cao. Segundo a pesquisadora, embora o estudo apoie o uso a longo prazo da aspirina, pacientes e médicos devem considerar todos os benefícios e potenciais riscos, bem como fatores de saúde individuais, antes de considerar o uso regular do medicamento.
 
"Precisamos realizar um trabalho adicional para equilibrar esses benefícios contra os riscos do uso da aspirina como sangramento do trato gastrointestinal e acidente vascular cerebral hemorrágico", disse Cao.
 
A principal limitação do estudo é o fato de ser um estudo observacional e, portanto, menos definitivo do que um ensaio clínico randomizado.
 
O trabalho foi apoiado por subsídios dos Institutos Nacionais de Saúde. A pesquisadora declarou não ter conflitos de interesse.
 
Referência: Abstract 3012: Long-term aspirin use and total and cancer-specific mortality - Yin Cao, ScD, Massachusetts General Hospital and Harvard Medical School, Boston, MA.
 


 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519