23112020Seg
AtualizadoSeg, 23 Nov 2020 12pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado

BALAN__O_PR__STATA_PG4TO6_ON4_NET_OK_ASCO_GU_2.jpgO International Brazilian Journal of Urology publicou o I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado. Apesar dos recentes progressos no conhecimento científico e da disponibilidade de novas terapias, ainda há considerável heterogeneidade nas abordagens terapêuticas para câncer de próstata metastático e questões relevantes ainda estão à espera de evidências.

Inspirado no modelo do Consenso de St. Gallen, o painel brasileiro teve o apoio da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), com a participação de 18 especialistas - 8 urologistas, 8 oncologistas clínicos, além de dois médicos nucleares.  

"Vejo este Consenso como uma diretriz geral de tratamento do câncer de próstata metastático. A ideia não é polemizar e sim colocar em perspectiva conceitos, evidência clínica e pontos de vista", analisa o oncologista Igor Morbeck, médico do Hospital Sírio-Libanês, em Brasília. "O conceito desta iniciativa é tornar público para  urologistas e oncologistas da comunidade latino-americana recomendações de tratamento baseadas em evidência científica", diz.

Para Morbeck, a iniciativa tem três aspectos que merecem ser destacados, a começar pelo mérito de reunir sociedades médicas distintas, unidas por uma patologia que é bastante incidente e tem no manejo multidisciplinar o padrão de cuidados. "Em segundo lugar, sabemos que iniciativas como esta são incomuns em nosso meio e tais dretrizes certamente contribuem para disseminar o conhecimento a respeito do tema", prossegue."O terceiro aspecto é termos conseguido uma publicação em revista especializada e indexada, contribuindo de maneira sólida e científica para um padrão de tratamento na América do Sul. Estamos motivados em participar do segundo consenso que será realizado em março em São Paulo", sinaliza.


O câncer de próstata representa uma importante causa de morbidade e cerca de 20% dos pacientes são diagnosticados em fase avançada ou vão progredir da doença sem possibilidade de tratamento curativo.

Métodos e resultados

O I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado compreendeu 40 questões controversas no cenário da doença avançada com o objetivo de orientar os melhores cuidados terapêuticos.

Na doença hormônio sensível, o painel lembra que a monoterapia com GnRH é a mais utilizada como primeira linha de tratamento. No entanto, o Consenso registra a existência de outras modalidades terapêuticas, como o uso de antagonistas Gn-Rh, a orquidectomia subcapsular ou mesmo a associação da supressão de testosterona e de anti-andrógenos periféricos.
 
Em relação ao uso de quimioterapia no câncer de próstata hormônio sensível, 73% dos membros do painel concordaram que para pacientes com doença metastática recomenda-se a utilização de docetaxel associado à supressão androgênica, com base nos estudos existentes (CHAARTED e STAMPEDE).
 
O I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado ainda traz recomendações para acompanhar a resposta ao tratamento e à progressão da doença.
 
Uma das questões mais atuais – qual a melhor sequência de tratamento na doença resistente à castração – também é apresentada no artigo publicado pelo IJBU, que tem como primeiro autor o urologista André Deeke Sasse, da Unicamp.
 
Por unanimidade, o painel considerou que abiraterona, enzalutamida, cabazitaxel e Radium-223 podem ser utilizados em pacientes que progrediram da doença menos de três meses após a suspensão da quimioterapia com docetaxel.
 
Na falta de evidências que possam indicar a melhor sequência de tratamento, o painel recomenda que a escolha da estratégia deve considerar os benefícios potenciais, os efeitos e riscos envolvidos, assim como deve levar em conta também os custos e o cenário de disponibilidade das drogas no Brasil. "
Há questões que admitem múltiplas respostas. Todas podem ser possíveis, daí a importância do debate", esclarece Morbeck.

Para o oncologista Fernando Maluf, chefe do Centro de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa de São Paulo e Médico do Comitê Gestor do Hospital Israelita Albert Einstein, "o consenso proporcionou uma visão de especialistas nas áreas de urologia, oncologia clínica e medicina  nuclear sobre métodos de estadiamento, definição de progressão da doença e resistência a castração, bem como tratamento da doença metastática androgênio sensível e resistente, incluindo parâmetros clínicos e patológicos para selecionar a melhor sequência de tratamento".

A íntegra do artigo está disponível, em acesso aberto.

Referência: Recommendations for Clinical PracticeSasse AD, et al. Int Braz J Urol. 2017. - Brazilian Journal of Urology - Vol. 43 (x): 2017 February 1.[Ahead of print] - doi: 10.1590/S1677-5538.IBJU.2016.0490

Mais sobre o Consenso: I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado

Consenso de experts em câncer de próstata avançado

I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado

I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519