30072021Sex
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Adjuvância tardia e sobrevida no câncer de pulmão

Pulm__o_2017_NET_OK.jpgUm estudo publicado online no JAMA Oncology em 5 de janeiro sugere que pacientes com câncer de pulmão não pequenas células podem se beneficiar da quimioterapia adjuvante iniciada até quatro meses após a cirurgia. Foram avaliados retrospectivamente dados de 12473 pacientes com CPNPC em estádios I, II ou III do National Cancer Database.

Embora haja consenso quanto ao uso de quimioterapia adjuvante, o momento ideal ainda é mal definido. Muitos médicos defendem o início da quimioterapia entre seis a nove semanas após a cirurgia, mas fatores como complicações pós-operatórias podem afetar a capacidade do paciente de tolerar a quimioterapia adjuvante.
 
O estudo observacional retrospectivo examinou pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células completamente ressecados, sem tratamento prévio, que receberam quimioterapia adjuvante multiagente entre 18 e 127 dias após a ressecção entre janeiro de 2004 e dezembro de 2012.
 
A população estudada foi limitada a pacientes com metástases linfonodais, tumores de 4 cm ou maiores, ou extensão local. Foram avaliados 12473 pacientes com CPNPC em estádios I, II ou III do National Cancer Database.
 
Foram identificados 12473 pacientes (idade mediana [intervalo interquartil] de 64 anos [57-70]): 3073 pacientes (25%) com doença em estágio I; 5981 pacientes (48%), estádio II; e 3419 pacientes (27%), estádio III. Um modelo de Cox com splines cúbicos restritos identificou o menor risco de mortalidade quando a quimioterapia foi iniciada 50 dias após a cirurgia (95% IC, 39-56 dias). O início da quimioterapia após este intervalo (57-127 dias, isto é, a coorte mais tardia) não aumentou a mortalidade (hazard ratio [HR], 1,037; 95% IC, 0,972-1,105; P = 0,27).
 
Além disso, os pacientes que receberam quimioterapia adjuvante tardia tiveram uma sobrevida significativamente melhor em comparação com aqueles tratados apenas com cirurgia (HR, 0,664; 95% IC, 0,623-0,707; P <0,001).
 
"Os médicos ainda devem considerar a quimioterapia em pacientes selecionados que são saudáveis o suficiente para tolerar o tratamento até quatro meses após a ressecção cirúrgica CPNPC. Para pacientes que precisam de mais tempo para iniciar a terapia, os resultados mostram que eles continuam a se beneficiar de quimioterapia quando oferecida fora do período tradicional do pós-operatório”, afirmou Daniel J. Boffa, professor associado de cirurgia do Yale Cancer Center e um dos autores do estudo. 
 
Referências: Association of Delayed Adjuvant Chemotherapy With Survival After Lung Cancer Surgery
 
 


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519