28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Novo grupo multicêntrico de pesquisa em câncer

Uni__o_PRONON_Baixa.jpgOncologistas de várias instituições se organizam em torno da criação de um novo grupo de pesquisa, o Grupo Brasileiro de Oncologia Personalizada e Imunoterapia (GBOPI), para a condução de um estudo clínico 100% nacional. Quem está à frente da iniciativa é o oncologista André Márcio Murad, que falou ao Onconews sobre os objetivos e perspectivas do GBOPI.

“É um projeto que será desenvolvido dentro da estrutura do LACOG com o propósito de constituir um ensaio clínico multicêntrico de Fase II  para avaliar o uso  de drogas alvo-moleculares no tratamento de tumores sólidos refratários à terapia sistêmica convencional”, esclarece Murad, professor e pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “Trata-se de um estudo prospectivo não controlado que vai incluir pacientes adultos que deixaram de responder ao tratamento sistêmico disponível. Os pacientes serão selecionados por perfil genômico do tumor primário ou da metástase, a partir do sequenciamento de nova  geração (SNG)”, explica o oncologista.
 
Como parte do protocolo de pesquisa, os pacientes elegíveis devem apresentar uma variante tumoral potencialmente responsiva aos fármacos disponibilizados pelo ensaio clínico e podem ter recebido diferentes linhas de tratamento sistêmico anterior. “A inclusão dos pacientes no estudo será decidida por uma comissão revisora  de oncologistas investigadores (CROI- "Tumor Board"), a ser nomeada pelo GBOPI”, acrescenta Murad.
 
Para a comunidade de oncologia, a proposta do GBOPI representa a oportunidade de ampliar o conhecimento disponível sobre o perfil genômico do câncer no Brasil. A ideia é prover amplo respaldo aos investigadores, que  receberão  assistência para interpretar  os resultados dos testes genômicos e identificar os tratamentos adequados. “Assim, estas poderosas ferramentas serão melhor compreendidas e utilizadas pela comunidade oncológica brasileira”, conclui Murad.
 
Para os pacientes, a proposta representa a possibilidade de acesso aos medicamentos alvo-moleculares, hoje a síntese do melhor padrão de cuidados para mutações específicas.
 
No esteio de identificar e mapear uma ampla casuística do perfil genético dos tumores mais incidentes na população brasileira, a pesquisa a ser conduzida pelo GBOPI/LACOG deve beneficiar também as agências reguladoras, que poderão obter  dados relevantes sobre eventos adversos e eficácia, a partir dos resultados do estudo.
 
 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519