25012021Seg
AtualizadoSex, 22 Jan 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Resistência à terapia de privação de androgênio no câncer de próstata

ASCO_prostata_1.jpgResultados de um estudo retrospectivo mostram que o gene HSD3B1 está envolvido no mecanismo de resistência à terapia de privação de androgênio (ADT) no câncer de próstata, ao codificar uma enzima alterada que aumenta a síntese de dihidrotestosterona. Os autores postulam que os homens que herdam o alelo (1245C) de HSD3B1 apresentam resistência à terapia de privação androgênica.

Métodos
 
Neste estudo multicoorte, os pesquisadores determinaram retrospectivamente o genótipo HSD3B1 em homens tratados com ADT para falha bioquímica pós-prostatectomia e correlacionaram o genótipo com os resultados clínicos de longo prazo.
 
Foram utilizados dados e amostras de registros da Cleveland Clinic (coorte primária do estudo) e da Mayo Clinic (coortes de validação pós-prostatectomia e metastáticos).
 
Na coorte pós-prostatectomia foram elegíveis pacientes de qualquer idade submetidos à prostatectomia entre 01 de janeiro de 1996 e 31 de dezembro de 2009 (Cleveland Clinic) ou entre 01 de janeiro de 1987 e 31 de dezembro de 2011 (Mayo Clinic). Todos foram tratados com ADT. Na coorte de validação de câncer de próstata metastático resistente a castração foram elegíveis pacientes de qualquer idade.
 
O endpoint primário foi sobrevida livre de progressão de acordo com o genótipo HSD3B1. Análises multivariadas foram realizadas para avaliar o valor preditivo independente do genótipo HSD3B1 sobre os resultados clínicos.
 
Resultados
 
Foram incluídos e genotipados 443 pacientes: 118 no grupo principal (submetidos à prostatectomia), 137 na coorte de validação pós-prostatectomia e 188 na coorte de validação de câncer metastático.
 
Na coorte primária do estudo, a sobrevida livre de progressão mediana diminuída em função do número de alelos variantes herdado foi de 6, 6 anos (IC 95% 3,8 - não atingido) em homens homozigotos com genótipo selvagem; de 4,1 anos (3,0-5,5) em homens com genótipo heterozigoto variante e de 2, 5 anos (0, 7 -não atingido) em homens com genótipo homozigoto variante (p = 0 · 011).
 
O genótipo homozigoto selvagem, herança de duas cópias do alelo variante, foi preditivo de menor sobrevida livre de progressão (hazard ratio [HR] 2 · [95% IC 1 · 1-5 · 3] 4, p = 0 · 029), assim como a presença de uma cópia do alelo variante (RH 1 · 7 [1 0-2 · · 9], p = 0 · 041). Os resultados foram semelhantes para a sobrevida livre de metástases à distância e sobrevida global.
 
O efeito do genótipo HSD3B1 como preditor independente foi confirmado em coortes de validação.
 
Para os autores, a herança do alelo HSD3B1 (1245C), que aumenta a síntese de dihidrotestosterona, está associada à resistência do câncer de próstata à terapia de privação androgênica. HSD3B1 poderia, portanto, ser um potencial biomarcador genético, distinguindo homens que podem se beneficiar da ADT daqueles que abrigam doenças suscetíveis de se comportar de forma mais agressiva.
 
Os resultados completos estão em artigo publicado online dia 26 de agosto no Lancet Oncology.
 
Referência: HSD3B1 and resistance to androgen-deprivation therapy in prostate cancer: a retrospective, multicohort study - Hearn, Jason W D et al. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S1470-2045(16)30227-3

 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519