03122020Qui
AtualizadoQua, 02 Dez 2020 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Uso excessivo de PET em tumores de pulmão e esôfago

pet_scan_machine_NET_OK.jpgOs resultados de um novo estudo põem em xeque a utilização de rotina do PET-scan no follow-up de longo prazo em tumores de pulmão e esôfago, uma vez que as taxas de utilização não demonstraram impacto na sobrevida.

A tomografia por emissão de pósitrons (PET) é uma ferramenta importante no estadiamento de tumores de pulmão e esôfago e pode ser útil para avaliar a resposta ao tratamento.  No entanto, recomendações relativas à utilização de PET no follow up de longo prazo não estão estabelecidas. Agora, estudo publicado1 mostra o impacto da utilização do PET-scan na sobrevida em cerca de 100 mil pacientes com câncer de pulmão e 4,5 mil pacientes com câncer de esôfago de 2005 a 2009 nos Estados Unidos.
 
Métodos
 
Os pesquisadores selecionaram pacientes com câncer de pulmão (n = 97 152) e esôfago (n = 4446), essencialmente a partir de dados epidemiológicos (Surveillance, Epidemiology, and End Results -SEER).  O estudo avaliou a utilização do PET em pessoas-ano, excluindo exames para estadiamento e para o acompanhamento de achados tomográficos. A sobrevida global foi estimada aos 2 anos, ajustada ao risco de acordo com as características dos pacientes e dos tumores. Os resultados de sobrevida foram comparados entre hospitais com menor utilização de PET-scan e hospitais com maior uso de imagem PET.
 
Resultados
 
Da amostra avaliada, 7,4% dos pacientes com câncer de pulmão e 11,1% dos pacientes com câncer de esôfago foram submetidos a mais de três exames de PET. Considerando a comparação de hospitais com baixo índice de utilização versus aqueles com maior utilização, não foi observada nenhuma diferença na sobrevida aos 2 anos para os doentes com câncer de pulmão (29,0% versus 28,8%; p= .66)ou de esôfago (28,4% versus 30,3%; p= .55) ou naqueles com câncer em estágio inicial de pulmão (65,1% versus 65,5%) ou esôfago (52,8% e 52,8%).
 
Os resultados são concordantes com as diretrizes da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, que não recomendam a utilização da imagem PET no follow-up de longo prazo ou para triagem de pacientes que já completaram o tratamento.
 
Referência: Use of Positron Emission Tomography to Detect Recurrence and Associations With Survival in Patients With Lung and Esophageal Cancers - Mark A. Healy, Huiying Yin, Rishindra M. Reddy e Sandra L. Wong- JNCI J Natl Cancer Inst (2016) 108 (7): djv429 - doi: 10.1093/jnci/djv429
 
 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519