06122020Dom
AtualizadoSex, 04 Dez 2020 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Nomogramas: risco em sarcomas de partes moles de extremidades

sarcoma_partes_moles_extremidades.jpgPesquisadores italianos, do Istituto Nazionale dei Tumori, em Milão, desenvolveram dois modelos de predição de risco para pacientes com sarcomas de partes moles de extremidades, validados para predizer sobrevida global e prever a ocorrência de metástases à distância. Os dados foram publicados no Lancet, em artigo de Dario Calegari e colegas.


O grupo italiano selecionou pacientes para a coorte de desenvolvimento, de janeiro de 1994 a dezembro de 2013, e utilizou instituições de referência na França (Institut Gustave Roussy,Villejuif), Canadá (Mount Sinai Hospital, Toronto) e Reino Unido (Royal Marsden Hospital, Londres) para compor as coortes de validação.

Métodos e modelos estatísticos foram considerados para a análise de significância, calibração (Hosmer-Lemeshow) e discriminação (Harrell C), além de índices de acurácia (Brier score) para avaliar a utilidade clínica dos dois nomogramas.

Métodos e resultados

Um total de 1452 pacientes foram incluídos na coorte de desenvolvimento. A coorte de validação considerou 420 pacientes incluídos no grupo francês, 1436 pacientes na coorte canadense e 444 pacientes na coorte de validação do Reino Unido.

Na coorte de desenvolvimento, a sobrevida global em 10 anos foi de 72, 9% e a incidência cumulativa de metástases à distância em 10 anos foi de 25%. Para o nomograma de sobrevida global, as variáveis selecionadas demonstraram significância estatística. As mesmas variáveis (exceto a idade do paciente) foram selecionadas para o nomograma preditivo de metástases à distância. Na coorte de desenvolvimento, o poder preditivo avaliado pelo índice Harrell C para a sobrevida global foi de 0,767 e para metástases à distância foi de 0, 759.

Nas coortes de validação, o índice Harrell C para a sobrevida global e metástases à distância foi respectivamente de 0,698 e 0,652 (coorte França); de 0,775 e 0,744 (Canadá) e de 0,762 e 0,749 (Reino Unido). Os dois nomogramas demonstraram um bom desempenho em termos de discriminação (capacidade de distinguir entre os pacientes que tiveram um evento daqueles que não tiveram) e calibração (precisão da previsão) quando aplicados às coortes de validação.

Assim, os nomogramas foram considerados confiáveis como métodos de prognóstico e podem ser usados para prever a sobrevida global e a ocorrência de metástases à distância em pacientes após a ressecção cirúrgica de sarcoma de partes mole de extremidades.

Para os autores, os nomogramas podem ser oferecidos aos médicos para melhorar sua capacidade de avaliação prognóstica, reforçar a tomada de decisão e melhorar a estratificação dos pacientes.

Referências:
Callegaro D, Miceli R, Bonvalot S, et al. Development and external validation of two nomograms to predict overall survival and occurrence of distant metastases in adults after surgical resection of localised soft-tissue sarcomas of the extremities: a retrospective analysis [published online ahead of print April 5, 2016]. Lancet Oncol. doi: 10.1016/S1470-2045(16)00010-3.

http://www.thelancet.com/journals/lanonc/article/PIIS1470-2045(16)00010-3/abstract


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519