05082021Qui
AtualizadoQui, 05 Ago 2021 2pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Consenso de experts em câncer de próstata avançado

BALAN__O_PR__STATA_PG4TO6_ON4_NET_OK_ASCO_GU.jpgTerminou no dia 4/11, no Rio de Janeiro, o encontro de experts que resultou nas recomendações do I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado, iniciativa que reuniu a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC). O conjunto das recomendações vai gerar dois documentos que serão publicados no periódico da SBU e também na revista da SBOC. 

Quarenta questões foram avaliadas por 18 painelistas em quatro horas de debates, com a moderação do oncologista André Sasse, da Unicamp. O objetivo foi definir recomendações para o câncer de próstata avançado, tanto no cenário hormônio sensível quanto na doença resistente a castração.

"Foi um encontro único, que permitiu debater amplamente questões que concentram a atenção da comunidade médica no Brasil e no mundo", resumiu Igor Morbeck, do Grupo Brasileiro de Tumores Urológicos, que durante o encontro apresentou as últimas duas questões do consenso. Afinal, qual o melhor tratamento para pacientes com resposta a docetaxel e progressão em menos de três meses? E para aqueles que respondem à quimioterapia e progridem da doença em período superior a três meses?

"Existem várias sequências de tratamento possíveis e todas foram bastante debatidas no consenso de experts, inclusive a partir de alguns parâmetros, como por exemplo a resposta à quimioterapia e hormonioterapia prévias, o grau inicial de Gleason e outras variáveis que, como essas, podem estar associadas ao prognóstico do paciente", explicou Morbeck.

As duas últimas perguntas do consenso exploraram exatamente o cenário da doença resistente a castração e a verdade é que não há uma resposta única. "Para pacientes que progrediram à quimioterapia inicial com docetaxel, a literatura tem demonstrado vários esquemas possíveis. Tanto enzalutamida como abiraterona são drogas de escolha, assim como o radium-223 e o cabazitaxel, que no estudo TROPIC demonstrou na análise de subgrupos benefícios significativos principalmente em pacientes que haviam progredido nos primeiros três meses. Então, para pacientes muito sintomáticos e grande volume de doença, cabazitaxel talvez seja a melhor escolha nesse cenário", acrescenta.

As recomendações do I Consenso Brasileiro em Câncer de Próstata Avançado estão em linha com grandes recomendações internacionais. "As opções são todas aceitáveis. Enzalutamida, abiraterona, cabazitaxel e o radium 223, o Xofigo, são todas drogas de escolha após falha a quimioterapia. Essa mesma pergunta foi feita em Saint Gallen e trouxemos para cá esse debate de sequenciamento, sem nenhuma pretensão de apontar a superioridade de uma droga sobre a outra, porque não temos esse dado na literatura", diz o especialista.

Em síntese, para pacientes que falham a castração hormonal existem quimioterápicos ou hormonioterápicos de última geração. “O tempo de resposta pode influenciar na decisão e ajudar a discernir qual a melhor escolha, lembrando que o radium-223 é também uma opção a ser considerada pré ou pós-quimioterapia em pacientes sintomáticos, assim como não existe preferência entre abiraterona ou enzalutamida, ambas igualmente como opções válidas no cenário pré ou pós-quimioterapia”, reforça Fernando Maluf, do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes (COAEM). 

Castração dependente

“Consensualmente, o que ficou claro na doença castração dependente é que o tratamento compreende castração hormonal isolada em pacientes com baixo volume de doença ou hormonioterapia associada à quimioterapia na doença de alto volume”, diz Maluf, do COAEM. Ele observa que em pacientes sensíveis a castração o consenso não recomendou o uso de drogas que evitam complicações ósseas, como denosumab ou ácido zoledrônico.


Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519