23112020Seg
AtualizadoSeg, 23 Nov 2020 12pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Câncer em populações indígenas

indio_australia.jpgUm estudo de base populacional comparou a incidência do câncer entre os povos indígenas da Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos. Os resultados foram publicados no Lancet online de 14 de outubro. Em países desenvolvidos, os povos indígenas têm desproporcionalmente pior saúde e expectativa de vida menor do que os não-indígenas.

Dados sobre incidência do câncer em indígenas são escassos, o que motivou este estudo comparativo que, pela primeira vez, relatou a carga de câncer entre os povos indígenas nesses países.
 
Os pesquisadores compararam as taxas padronizadas dos casos de câncer (exceto pele não-melanoma) diagnosticados entre 2002 e 2006 ajustados por idade, sexo, sítio do câncer e etnia. 

Métodos e resultados

Os dados de incidência foram obtidos a partir dos registros de câncer de base populacional dos Estados Unidos, Nova Zelândia, da província de Alberta, no Canadá, além de três estados da Austrália (Queensland, Austrália Ocidental e do Norte). 
 
Foram incluídos 24.815 casos de câncer em populações indígenas e 5.685.264 casos em não-indígenas de todas as áreas avaliadas. A carga global de câncer em populações indígenas foi substancialmente mais baixa nos EUA, exceto no Alasca, semelhante ou ligeiramente mais baixa na Austrália e no Canadá, e superior na Nova Zelândia em comparação com os não-indígenas.
 
Os tipos de câncer mais frequentes em homens indígenas foram de pulmão, próstata e câncer colorretal. Entre as mulheres indígenas, o câncer de mama foi o mais presente, seguido do câncer de pulmão e colorretal. A incidência de câncer de pulmão foi maior em homens indígenas em todas as regiões da Austrália, em Alberta, no Canadá, e também entre os indígenas norte-americanos nativos no Alasca na comparação com os não-indígenas. Para o câncer de mama, as taxas em mulheres foram menores em todas as populações indígenas, exceto na Nova Zelândia (SRR 1 23, 95% CI 1 · 16-1 · 32) e Alasca (1 · 14, 1 · 01-1 · 30). A incidência de câncer cervical foi maior nas mulheres indígenas do que em mulheres não-indígenas na maioria das áreas avaliadas, embora a diferença nem sempre tenha sido estatisticamente significativa.
 
A conclusão é de que existem diferenças claras na escala e perfil de câncer em populações indígenas e não-indígenas na Austrália, Nova Zelândia, Canadá e EUA. Os autores destacam ainda a necessidade de implantar e aprimorar programas de rastreio, vacinação e cessação do tabagismo, entre outras estratégias de prevenção nessa população-alvo.
 
Referência: Cancer incidence in indigenous people in Australia, New Zealand, Canada, and the USA: a comparative population-based studySuzanne P Moore, Sébastien Antoni,  Amy Colquhoun, Bonnie HealyLis Ellison-Loschmann, John D Potter, Gail GarveyFreddie Bray.
 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519