01122021Qua
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

FDA concede aprovação acelerada para o pembrolizumab em CPNPC avançado

CancroPulmao.jpgO Food and Drug Administration (FDA) concedeu aprovação acelerada para o pembrolizumab (Keytruda) para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC) metastático, cuja doença progrediu após outros tratamentos e com tumores que expressam o PD-L1. 

A droga foi aprovada para utilização acompanhada do teste pharmDx PD-L1 IHC 22C3, o primeiro teste concebido para detectar a expressão de PD-L1 em tumores de pulmão não-pequenas células.

"A compreensão crescente das vias moleculares subjacentes e da maneira como nosso sistema imunológico interage com o câncer está levando a avanços importantes na medicina", disse Richard Pazdur, Diretor do Escritório de Produtos de Hematologia e Oncologia no Centro do FDA para Avaliação e Pesquisa de Drogas. "A aprovação do Keytruda oferece aos médicos a capacidade de direcionar pacientes específicos, mais susceptíveis de se beneficiar desta droga".

O pembrolizumab tem como alvo a via celular PD-1/PD-L1. Ao bloquear esta via, pode ajudar o sistema imunológico a combater as células cancerosas. O medicamento havia sido aprovado em 2014 para o tratamento de pacientes com melanoma avançado após o tratamento com ipilimumab (Yervoy®). Outra droga, nivolumab (Opdivo), que também tem como alvo a via PD-1/PD-L1, foi aprovada para o tratamento de câncer de pulmão não-pequenas células escamosas em 2015. 

Detalhes do estudo 

A segurança do pembrolizumab foi avaliada em 550 pacientes com CPNPC avançado. Os efeitos secundários mais comuns incluíram fadiga, diminuição do apetite, dispnéia e tosse. O pembrolizumab também tem o potencial para causar efeitos secundários imuno-mediados graves.
 
A eficácia de pembrolizumab para este uso foi demonstrada num subgrupo de 61 pacientes inscritos em um estudo maior, multicêntrico, aberto. O subgrupo consistiu de pacientes com CPNPC avançado que progrediram após a quimioterapia à base de platina ou terapia-alvo para certas mutações genéticas (ALK ou EGFR). Este subgrupo também tinha tumores PD-L1-positivos com base nos resultados do teste de diagnóstico 22C3 pharmDx.
 
Os participantes receberam 10 mg/kg de pembrolizumab a cada 2 ou 3 semanas. O principal desfecho foi a taxa de resposta global. Os tumores diminuíram em 41% nos pacientes tratados com pembrolizumab, e o efeito durou entre 2,1 e 9,1 meses.
 
Nos 550 participantes do estudo com CPNPC avançado, graves efeitos colaterais imuno-mediados ocorreram envolvendo os pulmões, cólon e glândulas produtoras de hormônios. Outros efeitos secundários imuno-mediados incomuns foram erupção cutânea e vasculite. As mulheres grávidas ou amamentando não devem receber pembrolizumab, pois pode causar danos ao feto em desenvolvimento ou recém-nascido. Ao longo dos estudos clínicos, também ocorreu a síndrome de Guillain-Barre.
 
Uma melhora na sobrevida ou sintomas relacionados com a doença em pacientes tratados com pembrolizumab ainda não foram estabelecidos.
 
Pembrolizumab é comercializado pela Merck & Co., e o teste de diagnóstico de PD-L1 IHC 22C3 pharmDx é comercializado pela Dako North America Inc.
 

 

Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519