05122020Sáb
AtualizadoSex, 04 Dez 2020 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Ooforectomia diminui mortalidade no câncer de mama BRCA

cancer_survivor.jpgA edição online do JAMA publicou os resultados do estudo de Stefen Narold, Kelly Metcalfe e colegas, que mostrou que a ooforectomia está associada a uma diminuição da mortalidade em mulheres com câncer de mama com mutação BRCA1. Mulheres com receptor de estrogênio negativo com mutação BRCA devem ser submetidas à ooforectomia logo após o diagnóstico, concluem os autores.

As mulheres que carregam uma mutação germinativa nos genes BRCA1 ou BRCA2 enfrentam um risco de até 70% de receber um diagnóstico de câncer de mama, assim como têm risco ampliado para desenvolver câncer de ovário. A salpingooforectomia bilateral é recomendada de forma preventiva, mas agora se demonstra que pode ter também impacto na sobrevida de mulheres com câncer de mama associado à mutação BRCA.
 
O estudo considerou a análise retrospectiva de pacientes e famílias selecionados para aconselhamento em serviços de oncogenética. Ao todo, 676 mulheres com estadio I ou II de câncer de mama e mutação BRCA foram observadas em um seguimento de mais de 20 anos após o diagnóstico, no período entre 1975 e 2008. Foram comparados os resultados entre o grupo que recebeu a salpingooforectomia e o que não recebeu cirurgia para remoção dos ovários. 

Resultados 

Das 676 mulheres, 345 foram submetidas à ooforectomia após o diagnóstico de câncer de mama e 331 não tiveram retirados ambos os ovários. A sobrevida em 20 anos para todo o grupo de pacientes foi de 77,4%. A taxa de risco ajustado de morte por câncer de mama em mulheres que se submeteram à ooforectomia foi de 0,38 (IC 95%, 0,19-0,77; P = 0,007) para a mutação BRCA1 e 0,57 (IC 95%, 0,23-1,43; P = 0,23) para a mutação BRCA2. A taxa de risco específica de mortalidade para câncer de mama foi de 0,76 (IC 95%, 0,32-1,78; P = 0,53) para as mulheres com receptor de estrogênio positivo e de 0,07 (IC 95%, 0,01-0,51; P = 0,009) para as mulheres com receptor de estrogênio negativo.
 
Diante dos dados do estudo, os autores sugerem que a ooforectomia deve ser discutida com o paciente logo após o diagnóstico e expressam a recomendação de que a cirurgia seja realizada no primeiro ano de tratamento para maximizar o benefício.
 
Referência: Effect of Oophorectomy on Survival After Breast Cancer in BRCA1 and BRCA2 Mutation

Kelly Metcalfe, Henry T. Lynch, William D. Foulkes, Nadine Tung,  Charmaine Kim-Sing, Olufunmilayo I. Olopade, Andrea Eisen,  Barry Rosen,  Carrie Snyder,  Shelley Gershman,  Ping Sun e  Steven A. Narod, 
 doi:10.1001/jamaoncol.2015.0658
 
http://oncology.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=2276101#Conclusions


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519