16062021Qua
AtualizadoQua, 16 Jun 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Pontes do conhecimento

Exemplos mostram que vale à pena trazer a oncologia para a graduação médica. É na perspectiva de valorizar a especialidade, sem perder de vista o foco na assistência integral, que a multiplicação das ligas de oncologia assume papel central na construção de verdadeiras pontes do conhecimento.

{jathumbnail off}“A Liga é o meio para tomar contato com a oncologia desde a graduação. No nosso caso, desde o primeiro ano”, esclarece Jacqueline Menezes, diretora científica da Liga de Oncologia da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). “Na UMC, temos uma disciplina de Oncologia na grade curricular, a partir do quarto ano. Participar da Liga é uma forma de entrar em contato com a oncologia desde o início da graduação, através de uma série de atividades. Eu entrei na faculdade pensando na área, porque sou uma apaixonada, e desde o primeiro ano pude aprender muito sobre oncologia”, diz ela.

Objetivos comuns acabaram por aproximar as ligas de oncologia de diferentes faculdades de medicina em um grande encontro regional, o Interonco, que já resultou na realização de dois congressos científicos e hoje reúne 10 instituições de ensino.

Agora, a proposta é estimular a adesão de outras ligas de oncologia, em um esforço que tem a assinatura do Comitê Brasileiro das Ligas de Cancerologia (COBRALC) para mapear a presença e perfil das ligas, em todo o país. “Temos uma base de dados e a partir dela vamos estabelecer contato com as faculdades de medicina do Brasil inteiro para saber se existem ligas de oncologia organizadas e que tipo de atividades elas promovem. Queremos multiplicar a experiência do Sudeste, com o Interonco, agora com uma aliança nacional”, propõe Jacqueline.

Prevenção primária

“A patologista Lucimar Avó, professora da faculdade de medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), é outra entusiasta do papel das ligas de oncologia. Ela idealizou e coordena a LOCCU, a Liga de Oncologia Clínica e Cirúrgica da UFSCar, que tem a proposta de sensibilizar os alunos de medicina para conhecer os tumores mais prevalentes no panorama epidemiológico brasileiro, a partir de diferentes intervenções - desde esforços na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer, até a importância dos cuidados paliativos.
“É uma proposta inicial, trabalhamos com os recursos disponíveis, que não são muitos, e com o foco na saúde, não na doença. A prevenção primária e o diagnóstico precoce são a tônica desse trabalho”, ensina a coordenadora da LOCCU.

Foi assim quando os alunos foram à praça da cidade para estimular a população a refletir sobre a importância da prevenção do câncer de pele e a se engajar na luta antitabaco. O trabalho envolveu da conscientização à assistência, com o suporte de um ambulatório que dá amparo às atividades acadêmicas e permite ações coordenadas. Em síntese, cada campanha realizada pela Liga é a oportunidade de sistematizar e divulgar informação sobre as medidas de prevenção contra o câncer, e ao mesmo tempo estimular a população a realizar exames para o diagnóstico precoce.

“Não tenho dúvida de que as ligas educacionais das universidades cumprem um papel fundamental”, diz o presidente da SBOC. “É a partir da Liga que os alunos vão se aprofundar no tema e reverberar a importância da oncologia entre os colegas. E o principal, vão começar a despertar para as grandes diferenças regionais da oncologia. A partir da Liga, o corpo docente vai entender a importância de moldar o processo de ensino oncológico da graduação com base na epidemiologia local”, propõe.

 


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519