18062021Sex
AtualizadoQui, 17 Jun 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Paralisação compromete fornecimento de material para medicina nuclear

logo_medicina_nuclear_NET_OK.jpgA paralisação dos funcionários do Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN), interrompeu o fornecimento do Fluor-18, radioisótopo utilizado como matéria-prima para realização do PET-CT. Em nota enviada aos serviços de medicina nuclear, o Centro de Radiofarmácia do IPEN lamenta o desabastecimento.

A paralisação dos serviços do IPEN começou dia 18 de julho, e permanece até o momento. Em março de 2015 os funcionários também haviam paralisado a produção em protesto pela falta de recursos para pagamento dos insumos importados e nacionais e pela interrupção de gratificação dos trabalhadores.
 
Diferentemente de outras substâncias que podem ser estocadas para uso na medicina, o Flúor-18 tem duração somente de duas horas, o que torna "impossível tê-lo armazenado na clínica e o fornecimento precisa ser diário para garantir o serviço", explicou Cláudio Tinoco, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN).
 
Atualmente o IPEN comercializa produtos para 430 clínicas e hospitais de medicina nuclear, sendo um terço deste material consumido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Podem ser impactados os exames diagnósticos via PET-CT oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de câncer de pulmão de células não-pequenas; câncer colorretal com metástase exclusivamente hepática com potencial ressecável e linfomas de Hodgkin e não Hodgkin.  
 
Na saúde suplementar o impacto deve ser nas análises via PET de nódulo pulmonar solitário, câncer de mama metastático, câncer de cabeça e pescoço, melanoma e câncer de esôfago. 
 
Além do IPEN, a produção de radiofármacos também é feita no Rio de Janeiro, Recife e Belo Horizonte, em unidades ligadas ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Comunicação (MCTIC). No caso de radioisótopos com mais de duas horas de vida ativa, denominados de "meia-vida longa" – a Constituição determina que a produção é de responsabilidade exclusiva do Estado brasileiro.
 
Para a SBMN, um caminho para reduzir esta instabilidade no fornecimento da matéria-prima da medicina nuclear é a abertura do mercado de radiofármacos. A expectativa da Sociedade com esta medida é facilitar o crescimento da medicina nuclear nacional, por meio da livre concorrência.

 

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519