17092019Ter
AtualizadoTer, 17 Set 2019 10pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

Quimio em dose densa IV vs intraperitoneal com cateter na primeira linha do câncer de ovário

EVA ANGELICA NET OKFinalmente foi publicado o estudo originalmente nomeado “GOG 252”, apresentado na plenária do SGO Annual Meeting 2016, em San Diego. No contexto de tratamento quimioterápico do carcinoma epitelial de ovário (CEO) em primeira linha, o estudo, há muito esperado, trouxe resultados na contramão do previsto, questionando o papel crescente que o tratamento intraperitoneal (IP) com cateter vinha assumindo. Quem comenta o estudo é a oncologista Angélica Nogueira-Rodrigues (foto), presidente do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA/GBTG).

Por Angélica Nogueira-Rodrigues

O estudo de fase III prospectivo avaliou 1.560 pacientes com CEO estágios II ou III, todas submetidas a ressecção tumoral a < 1cm, randomizadas entre três diferentes regimes terapêuticos:

  1. Paclitaxel IV dose densa, carboplatina IV e bevacizumabe (braço refererência);
  2. Paclitaxel IV dose densa, carboplatina IP e bevacizumabe;
  3. Paclitaxel IV padrão, seguido de paclitaxel IP em dose reduzida, cisplatina IP e bevacizumabe.

As pacientes elegíveis foram randomizadas para receber seis ciclos de paclitaxel IV 80 mg/m2 uma vez por semana e carboplatina AUC 6 IV (braço comparador, referência à época) versus paclitaxel IP de 80 mg/m2 uma vez por semana e carboplatina AUC 6 IP versus paclitaxel IV 135 mg/m2 uma vez a cada 3 semanas ao longo de 3 horas no dia 1, com cisplatina IP 75 mg/m2 no dia 2 e paclitaxel IP 60 mg/m2 no dia 8 (cisplatina IP). Todos os participantes receberam bevacizumabe 15 mg/kg IV a cada 3 semanas nos ciclos 2 a 22.

O estudo avaliou o impacto destes diferentes regimes de quimioterapia sobre a sobrevida livre de progressão (SLP) em mulheres recém diagnosticadas com carcinoma de ovário avançado e os resultados foram publicados no Journal of Clinical Oncology (JCO) em abril de 2019.

Resultados

Um total de 1.560 participantes foram inscritos no estudo. Após 84,8 meses de acompanhamento, a duração média da SLP foi de 24,9 meses no braço comparador de tratamento IV, 27,4 meses no braço de carboplatina IP e 26,2 meses no braço de cisplatina IP. Para o subgrupo de 1.380 pacientes com estádio II / III e doença residual de 1 cm ou menos, a SLP mediana foi de 26,9 meses (carboplatina IV), 28,7 meses (carboplatina IP) e 27,8 meses (cisplatina IP), respectivamente.

A SLP mediana para pacientes com estádio II / III e sem doença residual foi de 35,9, 38,8 e 35,5 meses, respectivamente. A sobrevida global mediana para todos os participantes foi de 75,5, 78,9 e 72,9 meses, respectivamente, e a sobrevida global mediana para o estádio II / III sem doença residual foi de 98,8 meses, 104,8 meses e não alcançada.

Em relação ao perfil de segurança, a média relatada pelas próprias pacientes na Avaliação Funcional do Gynecologic Oncology Group, que mede neurotoxicidade, foi semelhante para todos os braços, mas a média de Avaliação Funcional avaliada pelo Trial Outcome Index foi estatisticamente pior no braço cisplatina IP.

Em conclusão, na comparação com o braço de referência IV, a duração de SLP não foi significativamente maior com o regime IP quando combinado com bevacizumabe e foi melhor tolerada do que a cisplatina IP. Os autores destacam que, na análise por intenção de tratar, a SLP na doença estádio III com ressecção ótima (de 1 cm ou menos) foi de 24,9 a 27,1 meses, que é melhor do que a observada no estudo GOG-172, onde os braços IV e IP apresentaram SLP de 18,3 e 23,8 meses, respectivamente. Como todos os braços receberam bevacizumabe, não foi possível avaliar o benefício do acréscimo do inibidor de angiogênese.

Sem impacto significativo em SLP e com logística significativamente mais complexa, a quimioterapia intraperitoneal com cateter vem perdendo força desde a apresentação destes dados em 2016. Além dos resultados deste estudo, contribuiu para esta tendência dados novos para a condução da paciente com este perfil apresentados desde então, merecendo destaque os significativos ganhos atingidos em pacientes com BRCA com inibidor de PARP em manutenção conforme estudo SOLO 1 (Moore et al, NEJM 2018) e com quimioterapia intraperitoneal peroperatória hipertérmica (HIPEC) pós quimioterapia neoadjuvante com platina e taxane e citorredução ótima (Van Driel et al, NEJM , 2018). E, com expectativas positivas para outros iPARPs e combinações entre iPARPs, antiangiogênicos e imunoterapia na primeira linha, o desenvolvimento terapêutico do CEO neste momento, alinhado com o movimento desencadeado pelo presente estudo, tende a se afastar da quimioterapia intraperitoneal com cateter.

Referência: Walker, J. L., Brady, M. F., Wenzel, L., Fleming, G. F., Huang, H. Q., DiSilvestro, P. A., Mannel, R. S. (2019). Randomized Trial of Intravenous Versus Intraperitoneal Chemotherapy Plus Bevacizumab in Advanced Ovarian Carcinoma: An NRG Oncology/Gynecologic Oncology Group Study. Journal of Clinical Oncology, JCO.18.01568. doi:10.1200/jco.18.01568

Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519