31072021Sáb
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Diagnóstico de neoplasia intraepitelial prostática

KATIALEITE NET OKEm artigo, a patologista Katia Ramos Moreira Leite (foto), médica da FMUSP e membro da Sociedade Brasileira de Patologia, esclarece que não há correlação entre a neoplasia intraepitelial prostática de alto grau (HGPIN) e o diagnóstico de câncer em uma nova biópsia. A exemplo do que é feito com o PIN de baixo grau, a especialista defende que não seja mais reportada a presença de HGPIN, que além de não ter significado clínico, causa um stress desnecessário.

 

Por Katia Ramos Moreira Leite**

Nos últimos anos ocorreram muitas mudanças conceituais relacionadas ao câncer de próstata. Como todas as neoplasias epiteliais, o adenocarcinoma da próstata tem como precurssor uma lesão in situ, denominada por McNeal e Bostwick em 1984 como “displasia intraductal”, hoje chamada de neoplasia intraepitelial prostática ou PIN. Essa lesão era inicialmente classificada em I, II e III e mais tarde foi simplificada como de baixo e alto grau (HGPIN), sendo que o patologista só reporta essa última, uma vez que é essa a lesão que se mostrava associada ao câncer invasivo.

A princípio, a biópsia de próstata era rotineiramente feita em sextante, com seis fragmentos representativos do ápice, terço médio e base bilateralmente. Nessa ocasião os estudos demonstravam um risco de aproximadamente 35% do diagnóstico de câncer após o diagnóstico de HGPIN, estando então recomendada nova biópsia no período de seis meses a um ano.

Diversos estudos sugeriram que a biópsia em sextante, com representação de apenas 6 fragmentos, seria inadequada para o diagnóstico de câncer, sendo então realizados de rotina 12, 14, 16, 18 ou mesmo biópsia de saturação com mais de 30 fragmentos. Com o aumento do número de fragmentos retirados em cada sessão de biópsia, o poder de HGPIN na previsão do câncer de próstata em uma nova biópsia baixou para perto de 15%, porcentagem igual ao encontro de tumor em uma segunda biópsia após diagnóstico benigno.

Uma das alterações mais significativas no câncer de próstata foi a revisão da graduação proposta por Gleason, que resultou na abolição dos padrões 1 e 2 e tornou o score 6 (3+3) o tumor de mais baixo grau. Em novembro de 2014, um novo consenso da International Society of Urological Pathology (ISUP) propôs uma classificação variável de 1 a 5, sendo que o grau 1 corresponde ao grau 6 (3+3) de Gleason, o grau 2 ao 7 (3+4), grau 3 ao 7 (4+3), grau 4 aos scores 8 (4+4), (3+5) e (5+3) e o grau 5 aos scores de Gleason 9 e 10.

O grupo da Hopkins havia publicado previamente um artigo provocativo propondo uma discussão quanto ao comportamento do adenocarcinoma Gleason 6 (3+3) ou ISUP 1, já que muitos estudos demonstram a falta de características de mau prognóstico e a ausência de progressão ou morte pela doença. O título contundente dessa publicação ‘Gleason score 6 adenocarcinoma: should it be labeled as cancer?’ reforçou a conduta conservadora que já vinha sendo tomada por alguns centros, tornando a observação vigilante ou active surveillance a primeira opção para o manejo de pacientes com tumores de baixo grau. Essa conduta se baseia nos dados de que muitos homens morrem com o câncer de próstata e não do câncer de próstata e que o tratamento curativo desses pacientes poderia ser caracterizado como um overtreatment, não trazendo benefício e proporcionando riscos de efeitos colaterais com impacto na qualidade de vida.

Apesar dessa grande mudança em relação ao diagnóstico e tratamento do câncer de próstata, nós patologistas continuamos a reportar a neoplasia intraepitelial de alto grau (HGPIN). Essa nomenclatura, além de não ter significado clínico, assusta sobremaneira os pacientes, causando um stress desnecessário.

Além disso, uma lesão que no passado era referida por muitos patologistas como um ‘HGPIN florido’ é hoje chamada de ‘carcinoma intraductal’, que tem conotação prognóstica importante e se relaciona com carcinoma invasivo de graduação de Gleason superior a 7 (ISUP 2) e com a presença de tumores não órgão-confinados.

Como não existe correlação entre HGPIN e câncer em uma nova biópsia, gostaríamos de propor que, a exemplo do que fizemos com o PIN de baixo grau, não reportemos mais a presença de HGPIN, evitando o stress que esse diagnóstico pode causar em pacientes e médicos.

*Esse editorial foi publicado no International Brazilian Journal of Urology; 2016 Mar-Apr; 42(2): 180–182. doi: 10.1590/S1677-5538.IBJU.2016.02.02

**Katia Ramos Moreira Leite é patologista, chefe do Laboratório de Investigação Médica da Disciplina de Urologia da FMUSP, médica do Hospital Sírio-Libanês e vice-presidente para Assuntos Acadêmicos da Sociedade Brasileira de Patologia

Referências 

1. McNeal JE, Bostwick DG. Intraductal dysplasia: a premalignant lesion of the prostate. Hum Pathol. 1986;17:64–71. [PubMed]

2. Bostwick DG, Brawer MK. Prostatic intra-epithelial neoplasia and early invasion in prostate cancer. Cancer. 1987;59:788–794. [PubMed]

3. Bostwick DG. Prospective origins of prostate carcinoma. Prostatic intraepithelial neoplasia and atypical adenomatous hyperplasia. Cancer. 1996;78:330–336. [PubMed]

4. Hodge KK, McNeal JE, Terris MK, Stamey TA. Random systematic versus directed ultrasound guided transrectal core biopsies of the prostate. J Urol. 1989;142:71–74. discussion 4–5. [PubMed]

5. Davidson D, Bostwick DG, Qian J, Wollan PC, Oesterling JE, Rudders RA, et al. Prostatic intraepithelial neoplasia is a risk factor for adenocarcinoma: predictive accuracy in needle biopsies. J Urol. 1995;154:1295–1299. [PubMed]

6. Epstein JI, Herawi M. Prostate needle biopsies containing prostatic intraepithelial neoplasia or atypical foci suspicious for carcinoma: implications for patient care. J Urol. 2006;175(3 Pt 1):820–834. [PubMed]

7. Al-Hussain TO, Epstein JI. Initial high-grade prostatic intraepithelial neoplasia with carcinoma on subsequent prostate needle biopsy: findings at radical prostatectomy. Am J Surg Pathol. 2011;35:1165–1167.[PMC free article] [PubMed]

8. Epstein JI, Allsbrook WC, Jr, Amin MB, Egevad LL, Committee IG. The 2005 International Society of Urological Pathology (ISUP) Consensus Conference on Gleason Grading of Prostatic Carcinoma. Am J Surg Pathol. 2005;29:1228–1242. [PubMed]

9. Epstein JI, Egevad L, Amin MB, Delahunt B, Srigley JR, Humphrey PA, et al. The 2014 International Society of Urological Pathology (ISUP) Consensus Conference on Gleason Grading of Prostatic Carcinoma: Definition of Grading Patterns and Proposal for a New Grading System. Am J Surg Pathol. 2016;40:244–252. [PubMed]

10. Carter HB, Partin AW, Walsh PC, Trock BJ, Veltri RW, Nelson WG, et al. Gleason score 6 adenocarcinoma: should it be labeled as cancer? J Clin Oncol. 2012;30:4294–4296. [PMC free article][PubMed]

11. Tosoian JJ, Mamawala M, Epstein JI, Landis P, Wolf S, Trock BJ, et al. Intermediate and Longer-Term Outcomes From a Prospective Active-Surveillance Program for Favorable-Risk Prostate Cancer. J Clin Oncol. 2015;33:3379–3385. [PMC free article] [PubMed]

12. Guo CC, Epstein JI. Intraductal carcinoma of the prostate on needle biopsy: Histologic features and clinical significance. Mod Pathol. 2006;19:1528–1535. [PubMed]

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519