19062021Sáb
AtualizadoQui, 17 Jun 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Diretrizes para radioterapia no câncer de orofaringe

Robson_Ferrigno_NET_OK_2.jpgO rádio-oncologista Robson Ferrigno (foto), Coordenador dos Serviços de Radioterapia da Beneficência Portuguesa de São Paulo, comenta o guia prático da Sociedade Americana de Radioterapia (ASTRO) para o manejo da neoplasia de orofaringe, tipo histológico carcinoma de células escamosas.

Por Robson Ferrigno
 
Recentemente publicado no periódico PRO (Pratical Radiation Oncology), constando ainda como “Article in Press”, o trabalho intitulado Radiation therapy for oropharyngeal squamous cell carcinoma: Executive summary of an ASTRO Evidence-Based Clinical Practice Guideline”é um resumo baseado em evidências e traz informações de muita importância para nortear a estratégia terapêutica dessa enfermidade.
 
O guia foi elaborado através de quatro questões chaves (“Key questions”) e, a partir delas, resume as principais recomendações de forma clara o objetiva.
 
1ª Questão: Quando é apropriado adicionar terapia sistêmica à radioterapia no tratamento do carcinoma de células escamosas da orofaringe (CCEO)?
 
2ª Questão: Quando é apropriado utilizar a radioterapia combinada ou não à terapia sistêmica após tratamento com cirurgia do CCEO?
 
3ª Questão: Quando é apropriado utilizar a quimioterapia de indução no tratamento do CCEO?
 
4ª Questão: Qual o regime de dose, fracionamento e volume de radioterapia apropriado com ou sem terapia sistêmica no tratamento do CCEO?
 
As principais respostas vão de encontro às práticas habituais em nosso meio. Entre as considerações que valem a pena ressaltar estão aausência de evidência do uso de quimioterapia semanal ao invés de quimioterapia intermitente com 100 mg/m2 a cada 21 dias. O guia considera a quimioterapia semanal para pacientes que não tolerariam essa dose. Além disso, os autores não recomendam associar cetuximabe a algum quimioterápico, assim como também não recomendam quimioterapia intra-arterial.
 
De acordo com as recomendações, após a cirurgia a radioterapia deve ser realizada em pacientes de riscos intermediário e alto. A associação com quimioterapia no risco intermediário não deve ser realizada, devendo apenas ser utilizada para os pacientes de alto risco, ou seja, com margens positivas e linfonodos com extensão extracapsular. O guia também não indica o uso de cetuximabe após cirurgia por falta de evidência clínica.
 
Por não aumentar a sobrevida e piorar a toxicidade, as diretrizes não recomendam a quimioterapia de indução.
 
A parte técnica da radioterapia está clara e, como esperado, os autores citam a técnica de IMRT como a mais usual nos EUA pelo fato de diminuir a xerostomia. Em nosso meio, a IMRT para câncer de orofaringe está no rol da ANS, portanto, de cobertura obrigatória por parte dos planos de saúde. Com relação aos pacientes do SUS, que compõem a grande maioria dos pacientes com essa neoplasia, a CONITEC infelizmente rejeitou a incorporação da IMRT para câncer de cabeça e pescoço. Embora não exista evidência de melhora de sobrevida com IMRT, a diminuição de toxicidade é bem clara e isso deveria ser levado em consideração pelos técnicos dessa Comissão.
 
Enfim, esse guia prático da ASTRO vem em boa hora e deve ser uma leitura obrigatória para cirurgiões de cabeça e pescoço, radioterapeutas, oncologistas clínicos e outros profissionais de saúde que lidam com essa doença, muito prevalente em nosso meio.
 
Referência: Radiation therapy for oropharyngeal squamous cell carcinoma: Executive summary of an ASTRO Evidence-Based Clinical Practice Guideline - DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.prro.2017.02.002

Leia mais: Guideline ASTRO para radioterapia no câncer de orofaringe


 

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519