10082022Qua
AtualizadoTer, 09 Ago 2022 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Câncer cervical em mulheres idosas

Idosa_Cervical_OK.jpgA histerectomia é comum nos Estados Unidos e impacta as taxas de incidência de câncer cervical invasivo (CCI), mas uma recente revisão dos dados de vigilância mostra que em contraste com o relativo declínio nas taxas de CCI ajustadas por idade, a histerectomia continua a subir depois dos 39 anos, com pico entre 65 e 69 anos.

Os resultados da revisão dos dados de vigilância de 2000 a 2009 mostram que as taxas do câncer cervical invasivo não diminuem nas mulheres com mais de 65 anos, idade em que se recomenda a cessação do rastreamento para câncer de colo do útero. Ao contrário, a maior incidência foi encontrada na faixa de 65 a 69 anos de idade, com uma taxa de 27,4 casos por 100.000 mulheres, em oposição a maior taxa não corrigida de 15,6 casos por 100.000 com idade entre 40 a 44 anos.

A análise revelou ainda disparidades na incidência de câncer cervical invasivo entre as mulheres brancas e negras, com incidência maior no segundo grupo. Entre as negras o estudo revelou uma taxa sem correção de 74,67 casos por 100.000 habitantes na faixa etária de 20 a 39 anos , diminuindo para 6,99 para as mulheres na faixa etária de 40 a ≥ 85 anos. As taxas de histerectomia ajustadas por idade foram de 128,59 casos por 100.000 mulheres negras entre 20 e 34 anos, e de 27,35 casos por 100.000 entre as mulheres de 35 a 64 anos.

O estudo foi liderado por Anne F. Rositch, professora de epidemiologia e saúde pública da Universidade de Maryland, e os resultados sugerem a necessidade de repensar as atuais recomendações para câncer cervical."É muito importante entender que nos Estados Unidos o risco de câncer cervical invasivo em mulheres mais velhas é maior do que se pensava. Ao olhar para os padrões após a correção, pela idade e raça, identificamos mais claramente as mulheres em maior risco e constatamos que as taxas de câncer do colo do útero são subestimadas, o que é uma triste verdade , disse Debbie Saslow, da American Cancer Society,instituição que financiou esta investigação.

 
Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
300x250 ad onconews200519