24082019Sáb
AtualizadoSex, 23 Ago 2019 1pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ESMO - ECC 2015

EUROCARE 5: Europa expõe desigualdades no tratamento do câncer

mapa_de_europa_NET_OK.jpgMilena Sant, da Fondazione IRCCS Istituto Nazionale dei Tumori, em Milão, Itália, apresentou no congresso europeu uma nova análise de dados a partir do EUROCARE 5, estudo que forneceu informações sobre os pacientes diagnosticados após o ano 2000 na Europa. A análise revelou desigualdades importantes, indicando que a sobrevida é geralmente baixa na Europa Oriental e alta no Norte e Centro da Europa, confirmando as tendências destacadas em estudos anteriores da série EUROCARE.

O EUROCARE 5 tem registros de 22 milhões de pacientes com câncer diagnosticados entre 1978 e 2007 em 30 países europeus e apresenta seus resultados desde o final dos anos 1990. Os dados mais recentes correspondem a  mais de 10 milhões pacientes diagnosticados entre 1995 e 2007 e acompanhados até 2008. Na base consolidada, o registro EUROCARE alcançou uma cobertura sem precedentes de 50% da população europeia. Os resultados foram publicados em 11 papers no European Journal of Cancer [1] simultâneamente à apresentação no ECC.
 
As comparações de sobrevida e cuidados dos pacientes com câncer na Europa até 2007 mostram que, embora mais pacientes estejam sobrevivendo pelo menos cinco anos após o diagnóstico, existem grandes variações entre os países, diferenças que são particularmente significativas em neoplasias hematológicas.
 
"Em geral, a sobrevida relativa em cinco anos – ajustada para causas de morte diferentes de câncer – aumentaram de forma constante ao longo do tempo na Europa, particularmente na Europa Oriental, para a maioria dos tipos de câncer. No entanto, foram observadas variações geográficas mais dramáticas para os cânceres hematológicos, neoplasias que em período recente assistiram a avanços sem precedentes. É o caso de doenças como leucemia mielóide crônica e linfocítica, linfoma não-Hodgkin e dois de seus subtipos (folicular e linfoma difuso de grandes células B), além do mieloma múltiplo. Hodgkin foi a exceção, com variações regionais menores e um bom prognóstico na maioria dos países", disse Sant.
 
Para o linfoma de Hodgkin, a mediana de sobrevida relativa em cinco anos, padronizada por idade, foi a mais alta entre os tipos de câncer hematológico (81%), com variações que vão de 79,4% para a Irlanda e o Reino Unido, a 85% nos países da Europa do Norte e 74,3% no Leste Europeu. Em contraste, a mediana de sobrevida em cinco anos para a leucemia mielóide crônica foi de 53% (com grande variação de acordo com a idade), com a maior diferença geográfica entre todos os cânceres do sangue: 33,4% na Europa Oriental contra 51%-58% no resto da Europa. Desvios significativos da média regional foram encontrados na Suécia (69,7%), Escócia (64,6%), França (71,7%), Áustria (48,2%), Croácia (37,8%), Estônia (48,9%), República Tcheca (45,2% ) e Letônia (22,1%).
 
Para cânceres com bom prognóstico, a média europeia para sobrevida relativa em cinco anos foi de 82% para câncer de mama (com uma variação de 74% na Europa Oriental em comparação com 85% no Norte europeu), 57% para cólon (49% no Leste da Europa, 61% na Europa central), 56% para o câncer de reto (45% na Europa Oriental, 60% na Europa central), 83% para o melanoma (74% na Europa Oriental, 88% no Norte da Europa) e 83% para próstata (72% para a Europa Oriental, 88% para a Europa Central).
 
Variações menores foram observadas em cânceres com pior prognóstico; câncer de pulmão teve uma média de sobrevida relativa em cinco anos de 13% (9% na Irlanda e no Reino Unido, 15% na Europa Central), câncer de ovário (média de 38%, 31% na Irlanda e no Reino Unido; 41% na Europa do Norte ), câncer de estômago (média de 25%, 17% na Irlanda e no Reino Unido, 30% no Sul da Europa), pâncreas (média de 7%, 5% na Europa do Norte e da Irlanda e do Reino Unido, 8% na Europa do Sul) esôfago (média de 12%, 8% Europa Oriental, 15% da Europa Central) e cérebro (média de 20%, 18% na Irlanda e no Reino Unido, 24% na Europa do Norte).
 
"Entre 1999-2001 e 2005-2007, os maiores aumentos na sobrevida relativa em cinco anos foram observados em cânceres como a leucemia mielóide crônica, onde a sobrevida aumentou de 32% para 54%; câncer de próstata, que saltou de 73% para 82%; e câncer retal, que aumentou de 52% para 58% ", disse Sant.
 
Outra análise dos dados relatados nos papers do EJC observaram a sobrevida global para todos os tipos de câncer na Europa, com dados de mais de 7,5 milhões de pacientes com câncer em 29 países. A análise mostrou que a Dinamarca, Reino Unido e países da Europa Oriental têm sobrevida menor do que os países vizinhos. A sobrevida relativa em cinco anos, padronizada por idade, foi de 59,6% no Norte da Europa, 58% na Europa Central, 54,3% para o Sul da Europa, 50,1% para a Irlanda eo Reino Unido, e 45% para a Europa Oriental. Na Dinamarca, foi de 50,9%. Entre os países do leste europeu, a sobrevida para a maioria dos cânceres foi significativamente menor do que a média regional na Bulgária, Letônia e Polônia: 39%, 42% e 41%, respectivamente. Na República Tcheca a sobrevida foi significativamente maior do que a média regional - 51%.
 
"A sobrevida está correlacionada com o produto interno bruto (PIB) e despesa nacional total em saúde (TNEH). Países com os recentes aumentos mais elevados no PIB e TNEH tiveram um maior aumento na sobrevida câncer. No entanto, este não foi o caso de países como a Dinamarca e o Reino Unido, que continuam com um desempenho pior do que o esperado para o seu nível de TNEH", afirmou Sant.
 
Para a especialista, as variações na sobrevidaaconetcem devido a um certo número de fatores: as diferenças na biologia e comportamento de alguns cânceres e no rastreamento e diagnóstico (por exemplo, para a mama, próstata e câncer colorretal), o que pode resultar em doenças sendo detectadas mais cedo e, potencialmente , numa fase mais tratável, bem como a disponibilidade de tratamentos novos e melhores. "O nível socioeconômico, estilo de vida e diferenças de saúde geral entre populações também podem desempenhar um papel."
 
Sant afirmou que os resultados de EUROCARE podem ajudar a identificar as regiões de baixa sobrevida, onde é necessária uma intervenção para melhorar os resultados dos pacientes.
 
Em conexão com os resultados do EUROCARE 5, o Cancer Patient Coalition Europeu apela para reduzir a fragmentação dos serviços de saúde e defende a promoção de centros de atendimento integrais e multidisciplinares para ajudar a reduzir as desigualdades nos cuidados em câncer, em toda a Europa. A coalizão de pacientes destaca que a sobrevida também é afetada pela organização e financiamento dos sistemas de cuidados de saúde.
 
O EUROCARE é possível graças a uma parceria consolidada entre dois institutos italianos de investigação (a Fondazione IRCCS Istituto Nazionale dei Tumori, em Milão, e o Istituto Superiore di Sanità, em Roma), com a colaboração da rede de mais de cem registros de câncer europeus.
 
Segundo Peter Naredi, co-presidente científico do congresso, o EUROCARE 5 mostra mais uma vez o quanto é importante o seguimento dos resultados do tratamento do câncer na Europa. “Quando melhoramos diagnósticos e tratamentos de um tipo de câncer, não leva muito tempo para melhorar também a sobrevida para essa população de pacientes. Mas o que Sant e colegas também indicam é que a melhor sobrevida não vem sem um incentivo financeiro por parte dos governos. Espero que isso continue a incentivar a comunidade europeia a gastar dinheiro com o tratamento e pesquisa do câncer", concluiu.
 
Abstract no: LBA 1. “Is Europe doing better in cancer care since the 90s? The latest findings from the EUROCARE-5 study”. Presidential session I, 14.30–16.40 hrs (CEST), Saturday 26 September , Hall D1 (presenting at 15.30 hrs).
 
[1] Survival of Cancer Patients in Europe, 1999 - 2007: The EUROCARE-5 Study. Eds: P. Minicozzi, R. Otter, M. Primic-Žakelj, S. Francisci, European Journal of Cancer, vol.51, issue 15, October 2015, pp 2099-2266.
 

Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519