22112019Sex
AtualizadoQui, 21 Nov 2019 8pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ASH 2014

SORAML: Sorafenibe versus placebo em adição à terapia padrão em LMA

palavra_especialista_nelson_hamerschlak_NET_OK.jpgO grupo de pesquisa alemão liderado por Christoph Röllig, de Dresden, apresentou na ASH 2014 os resultados do estudo SORAML, que mostra o papel de sorafenibe no tratamento de leucemia mieloide aguda (LMA).

Sorafenibe é um inibidor de multi-quinase que pode desempenhar um papel na patogênese da LMA, como já demonstrado em dados in vitro e em ensaios clínicos não randomizados. Agora, o  SORAML apresentou na sessão plenária da ASH resultados do estudo randomizado versus placebo em adição ao tratamento padrão para indução e consolidação em pacientes com LMA ≤60 anos.

"Na minha opinião, é um marco no tratamento da LMA. Sorafenibe é a primeira droga que acrescentada ao esquema usual de quimioterapia melhora os índices de sobrevida livre de doença", afirma Nelson Hamerschlak, coordenador médico do Centro de Oncologia e Hematologia Família Dayan - Daycoval do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Pacientes e Métodos

Entre março de 2009 e outubro de 2011, 276 pacientes de 25 centros foram incluídos no estudo SORAML (NCT00893373). Os principais critérios de elegibilidade foram diagnóstico recente, idade entre 18 e 60 anos e adequação para receber terapia intensiva. O plano de tratamento para todos os pacientes incluiu dois ciclos de indução com DA (daunorubicina 60 mg / m2 dias 3-5 e citarabina 100 mg / m2 cont. Inf. 1-7 dias), seguido por três ciclos de altas doses de citarabina (consolidação 3 g / m2, dias 1, 3, 5). Pacientes sem resposta após DA receberam uma segunda indução com HAM (citarabina 3 g / m2 dias 1-3, além de mitoxantrona 10 mg / m2 dias 3-5). O transplante alogênico foi agendada para todos os pacientes de risco intermediário em primeira remissão completa com um irmão doador e para todos os pacientes de alto risco com um doador relacionado ou não correspondido. No momento da inclusão do estudo, os pacientes foram randomizados para receber sorafenibe (800 mg / dia) ou placebo como complemento ao tratamento padrão.

Os pacientes foram randomizados na proporção de 1: 1. O desfecho primário do estudo foi a sobrevida livre de eventos (SLE) e a ocorrência de eventos foi definida como qualquer falha em alcançar uma remissão completa (RC) após a indução, a recidiva ou a morte. Os desfechos secundários foram a sobrevida livre de recidiva (SLR), sobrevida global (SG), a taxa de RC e incidência de eventos adversos (EA).

Resultados

Ao todo 267 pacientes foram considerados elegíveis para o estudo, 134 no braço sorafenibe e 133 no grupo placebo. As características demográficas e da doença foram distribuídas igualmente entre os dois braços; a incidência da mutação FLT3-ITD foi de 17%. A dose cumulativa média da medicação em estudo administrada foi semelhante em ambos os braços. As taxas de RC foram de 59% versus 60% no grupo placebo versus o braço sorafenibe (p = 0,764). Depois de um tempo mediano de observação de 36 meses, a mediana de SLE foi de 9,2 meses no grupo placebo e de 20,5 meses no braço tratado com sorafenibe (p = 0,013).

Em 46 pacientes positivos para FLT3-ITD não foi observada diferença na sobrevida livre de eventos, mas uma tendência para SG em favor de sorafenibe. Os efeitos adversos de grau ≥3 foram febre (40%), infecções (22%) e os eventos hemorrágicos (2%). O risco para a febre, hemorragias e síndrome mão-pé foi significativamente maior no grupo de sorafenibe.

Em conclusão, em pacientes com LMA mais jovens, a adição de sorafenibe à quimioterapia padrão é viável e demonstra eficácia. O tratamento com sorafenibe resultou em uma EFS significativamente maior. "No HIAE conseguimos resgatar alguns pacientes que recidivaram pós-transplante de medula óssea usando sorafenibe em conjunto com quimioterapia e infusões de linfócitos do doador para imunoterapia com manutenção do Sorafenibe a longo prazo, mantendo estes pacientes em remisssão", conclui Hamerschlak.

Referências
Sorafenib Versus Placebo in Addition to Standard Therapy in Younger Patients with Newly Diagnosed Acute Myeloid Leukemia: Results from 267 Patients Treated in the Randomized Placebo-Controlled SAL-Soraml Trial

Christoph Röllig, Carsten Müller-Tidow, Andreas Hüttmann, Richard Noppeney, Volker Kunzmann, Claudia D Baldus, Christian H. Brandts, Alwin Krämer, Kerstin Schäfer-Eckart, , Andreas Neubauer, Stefan W. Krause, Aristoteles Giagounidis, Walter E. Aulitzky, Martin Bornhäuser, Markus Schaich, Stefani B Parmentier, Christian Thiede, Malte von Bonin, Johannes Schetelig, Michael Kramer, Hubert Serve, Wolfgang E Berdel, e Gerhard Ehninger

https://ash.confex.com/ash/2014/webprogram/Paper75091.html

Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner personal2019 250x300p
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519
Publicidade
banner onconews spotify 300x150px