25012020Sáb
AtualizadoSex, 24 Jan 2020 8pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

San Antonio 2019

Terapia hormonal e impacto na incidência do câncer de mama

rowan chlebowski bxOs resultados de longo prazo de dois grandes estudos randomizados da Women's Health Initiative (WHI) mostraram que o uso de estrogênio isolado como terapia hormonal na menopausa diminuiu a incidência do câncer de mama e morte pela doença, com resultados persistentes após a descontinuação. Agora, dados apresentados no SABCS 2019 por Rowan Chlebowski (foto), chefe da Divisão de Oncologia e Hematologia do Harbor-UCLA Medical Center e pesquisador do Instituto Lundquist, indicam que a combinação de estrógeno e progestágeno aumentou a incidência de câncer de mama, com resultados que também se mantiveram mesmo após a interrupção do uso.

 

Nesta análise, os autores atualizaram os resultados desses dois ensaios da WHI considerando mulheres em terapia hormonal com estrogênio equino conjugado (CEE, da sigla em inglês) mais acetato de medroxiprogesterona (MPA), CEE sozinho ou placebo, com mais de 19 anos de acompanhamento.

"Nos dois ensaios clínicos randomizados da WHI, controlados por placebo, envolvendo 27.347 mulheres na pós-menopausa, a adição de MPA aumentou significativamente a incidência de câncer de mama, com efeitos que persistiram por uma década após a interrupção do uso", observou Rowan T. Chlebowski, que apresentou o estudo em San Antonio. “Em contraste com décadas de descobertas observacionais, o estudo da WHI mostra que o CEE isoladamente reduziu significativamente a incidência de câncer de mama e reduziu significativamente as mortes pela doença, com efeitos benéficos que ​​persistiram por mais de uma década após a interrupção do uso”, acrescentou.

Chlebowski e colegas inscreveram mulheres na pós-menopausa, entre 50 e 79 anos de idade, sem câncer de mama e com útero intacto, que receberam CEE e MPA (8.506) ou placebo (8.102) pela mediana de 5,6 anos. A análise também considerou mulheres na pós-menopausa submetidas à histerectomia, que receberam CEE exclusivo (5.310) ou placebo (5.429) pela mediana de 7,2 anos. Após 16,1 anos de acompanhamento, houve 520 casos de câncer de mama entre as que receberam apenas CEE. Mulheres que fizeram terapia de reposição hormonal com CEE tiveram probabilidade 23% menor de serem diagnosticadas com câncer de mama e 44% menos risco de morrer da doença na comparação com o braço placebo.

Após 18,3 anos de acompanhamento, 1.003 casos de câncer de mama foram registrados em mulheres que receberam CEE e MPA. Na comparação com o braço placebo, aquelas que receberam terapia hormonal combinada com MPA tiveram risco 29% maior de desenvolver câncer de mama.

Referência: GS5-00 - Long-term influence of estrogen plus progestin and estrogen alone use on breast cancer incidence: The Women's Health Initiative randomized trials - Rowan T Chlebowski et al

Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner personal2019 250x300p
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519