25022020Ter
AtualizadoSeg, 24 Fev 2020 2pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ESMO 2019

Infecções oportunistas em pacientes com tumores neuroendócrinos tratados com everolimus

carine mauro poster esmo2019Carine Mauro (foto), do A.C.Camargo Cancer Center, apresentou na sessão de poster da ESMO 2019 estudo que buscou avaliar a incidência e fatores de risco para infecções oportunistas ou qualquer infecção grave em pacientes com tumores neuroendócrinos tratados com everolimus fora dos ensaios clínicos.

Os pesquisadores avaliaram uma coorte latino-americana multicêntrica retrospectiva de pacientes com tumores neuroendócrinos avançado que recebeu pelo menos uma dose de everolimus. A duração da everolimus, comorbidades, disfunções orgânicas, instituição, tipo de tratamento anterior e condição imunossupressora concomitante foram testadas para possíveis associações com infecções graves (grau 3-5) nos modelos de regressão logística univariada e multivariável.

Resultados

Foram incluídos 111 pacientes de cinco centros, a maioria do sexo masculino (57,7%) e com tumor neuroendócrino pancreática (49,5%). A duração média do tratamento de everolimus foi de 8,9 meses e 30 (27%) pacientes exigiram uma redução da dose devido a qualquer toxicidade. A mediana de sobrevida global foi de 54,3 meses. Em um acompanhamento médio de 32,9 meses, 34 (30,6%) pacientes apresentaram infecções de qualquer grau, 24 (21,6%, 95% [IC]: 12,9 - 28,5%) pacientes tiveram infecção grave e 8 (7,2%, IC 95%: 2,6 - 12,6%) tinham pelo menos uma infecção oportunista.

Entre os pacientes com infecção oportunista, os patógenos foram Candida sp, Toxoplasma gondi, Pneumocystis sp e Cryptococcus sp; as infecções graves mais comuns foram pneumonia e infecção gastrointestinal. Oito pacientes (7,2%) morreram e todas as mortes foram consideradas relacionadas ao everolimus. A análise multivariável identificou a duração de everolimus (aumento a cada 6 meses; Odds Ratio [OR]: 1,26, IC 95%: 1,02-1,55; p = 0,04) e o escore de comorbidade Charlson (OR: 1,47, IC 95%: 1,03-2,08; p = 0,03) como fatores de risco independentes para infecção grave.

“As infecções são mais frequentes em pacientes com tumores neuroendócrinos usando everolimus do que o relatado anteriormente em ensaios clínicos - 2% tiveram infecções graves no estudo RADIANT-3. Pacientes em everolimus devem ser monitorados de perto quanto a infecções, especialmente aqueles que recebem o tratamento por vários meses”, conluem os autores.

Referências: 1395P Opportunist and serious infections in patients with neuroendocrine tumours treated with everolimus: A multicenter study of real world patients - C.D.C. Mauro et al

Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner personal2019 250x300p
Publicidade
300x250 ad onconews200519
Publicidade
banner onconews spotify 300x150px