24102019Qui
AtualizadoQua, 23 Out 2019 1pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ESMO 2019

Resultados encorajadores no tratamento do colangiocarcinoma

Ghassan Abou Alfa esmo2019 v2 bxNovos dados mostraram pela primeira vez que uma terapia-alvo direcionada à mutação do isocitrato desidrogenase 1 (IDH1) pode melhorar os resultados de pacientes com colangiocarcinoma avançado, um subtipo de câncer do ducto biliar com comportamento agressivo e mau prognóstico, que apesar da baixa incidência ainda representa uma necessidade médica não atendida. Os dados apresentados na ESMO 2019 por Ghassan Abou-Alfa (foto), do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, são os primeiros a mostrar benefício clínico de uma terapia-alvo no tratamento do colangiocarcinoma.

Os resultados do estudo Fase III ClarIDHy demonstraram que ivosidenibe melhorou significativamente a sobrevida livre de progressão, com tendência à benefício de sobrevida global nessa população de pacientes.

O estudo randomizou (1:1) 185 pacientes com colangiocarcinoma avançado e mutações IDH1 para receber ivosidenib ou placebo. Os pacientes do braço controle puderam passar para o braço de intervenção para receber ivosidenib na progressão da doença.

A mediana de sobrevida livre de progressão foi de 2,7 meses para os pacientes tratados com ivosidenibe em comparação com 1,4 meses no braço placebo (taxa de risco [HR] 0,37; intervalo de confiança de 95% [IC]: 0,25, 0,54, p <0,001). A taxa de sobrevida livre de progressão em seis meses foi de 32,0% com ivosidenib, enquanto nenhum paciente do braço placebo estava livre de progressão aos 6 meses.

A terapia-alvo também mostrou uma tendência favorável para sobrevida global. A mediana de sobrevida global com ivosidenib foi de 10,8 meses versus 9,7 meses no braço placebo (HR 0.69, one-sided p=0.06). "É a primeira vez no colangiocarcinoma que um estudo de Fase III testa um medicamento alvo direcionado a uma mutação específica, trazendo a oncologia de precisão para a prática clínica. Cerca de um em cada seis pacientes com colangiocarcinoma tem mutações no IDH1. Os resultados indicam que ivosidenib melhora significativamente a sobrevida livre de progressão e mostra tendência de benefício de sobrevida global em pacientes IDH1 mutados”, disse o autor do estudo, Ghassan Abou-Alfa, do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center.

“Diante desses resultados, todos os pacientes com colangiocarcinoma devem ser testados para a mutação IDH-1”, analisa. Agora, novos estudos devem investigar ivosidenib como tratamento de primeira linha para o colangiocarcinoma com IDH1, além do uso em terapia combinada e como terapia adjuvante.

“Um tratamento que aumenta a chance de estar livre de progressão em 30% aos 6 meses e que prolonga a sobrevida de 6 meses com placebo para 10,8 meses com ivosidenib, é definitivamente significativo para nossos pacientes com colangiocarcinoma e suas famílias”, observou Chris Verslype, do Hospital Universitário de Lovaina, Bélgica. “É muito provável que mude a prática clínica. O que vimos neste estudo é realmente sem precedentes e clinicamente relevante para essa população de pacientes”, concluiu.

Referência: LBA10_PR ‘ClarIDHy: a global, phase 3, randomized, double-blind study of ivosidenib (ivo) vs placebo in patients with advanced cholangiocarcinoma (CC) with an isocitrate dehydrogenase 1 (IDH1) mutation’ ; Annals of Oncology 30, Supplement 5, 2019.

Publicidade
banner personal2019 250x300p
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519