20052019Seg
AtualizadoDom, 19 Mai 2019 10pm

banner_freud_adv_468x60.jpg

ASCO GU 2019

Redução tumoral e sobrevida no estudo METEOR

ignacio duran asco2019No ASCO GU 2019, o oncologista Ignacio Duran (foto), médico do Hospital Universitario Marqués de Valdecilla, em Santander, Espanha, apresentou a análise de sobrevida global do estudo METEOR com base na redução precoce do tumor em pacientes com carcinoma de células renais.

 

Dados já conhecidos do estudo de fase III METEOR mostram que cabozantinibe melhorou a sobrevida global (mediana 21,4 vs 16,5 meses; HR 0,66 95% CI 0,53-0,83), sobrevida livre de progressão e taxa de resposta objetiva na comparação com everolimus em pacientes com carcinoma de células renais (RCC) avançado previamente tratados (Choueiri 2016).

Estudos retrospectivos mostraram que a redução do tumor (eTS) com base na redução da lesão alvo desde o início até o primeiro exame pós-baseline tem valor preditivo para terapias-alvo no RCC (Grunwald 2015; Grunwald 2016).

Métodos e resultados

No total, 658 pacientes foram randomizados 1: 1 para receber cabozantinibe (60 mg qd) ou everolimus (10 mg qd), estratificados por grupo de risco MSKCC e número de TKIs VEGFR anteriores. O tamanho da lesão alvo foi avaliado por revisão radiológica independente, utilizando tomografia computadorizada/ressonância magnética no início do estudo, a cada 8 semanas durante os primeiros 12 meses e posteriormente a cada 12 semanas.

A mediana da sobrevida global foi estimada para pacientes com ≥ 30% de eTS, qualquer eTS ou nenhum eTS no primeiro exame pós-baseline (semana 8); O seguimento médio foi de 28 meses (IQR 25, 30). O tempo mediano para resposta objetiva foi de 1,91 (1,6, 11,0) meses com cabo e 2,14 meses (1,9, 9,2) com everolimus e correspondeu ao intervalo até o primeiro scan pós-baseline.

Análises de segurança mostram que uma proporção maior de pacientes teve ≥30% de eTS com cabo (20%) do que com eve (5%) e a taxa de qualquer eTS foi maior no braço de cabo (73%) do que com eve (47%; Tabela).

A mediana de SG com cabo vs eve para pacientes com ≥30% eTS não foi atingida (NR; 95% CI, 23,7 – NR) versus 10,2 meses (95% CI, 3,9 – NE), respectivamente (HR estratificado, 0,45; 95% CI, 0,21-0,95, p <0,05). A mediana de SG com cabo vs eve para pts com qualquer eTS foi de 23,7 meses (95% CI, 21,7-27,7) vs 17,3 meses (95% CI, 15,4-20,8), respectivamente; (HR estratificada, 0,62; 95% CI, 0,48-0,80; p <0,05).

“Cabozantinibe demonstrou maior taxa e maior magnitude de eTS no primeiro exame pós-baseline em comparação com everolimus, e o eTS foi associado com o prolongamento da SG em pacientes tratados com cabozantinibe”, afirmou Ignácio.

 Proportion of pts in each subgroup.

Early tumor shrinkagea

Cabo, n (%) 
(N=330)

Eve, n (%)
(N=328)

≥30%

65 (19.7)

16 (4.9)

Any

242 (73.3)

155 (47.3)

None

77 (23.3)

156 (47.6)

Unknown

11 (3.3)

17 (5.2)

aFrom baseline to first post-baseline scan (week 8)

Referência: Abstract 550: Analysis of overall survival (OS) based on early tumor shrinkage in the phase III METEOR study of cabozantinib (cabo) versus everolimus (eve) in advanced renal cell carcinoma (RCC). - Ignacio Duran et al

Publicidade
300x250 ad onconews200519
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250