22072019Seg
AtualizadoQui, 18 Jul 2019 7pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ASCO 2019

Dilemas e promessas no panorama GI

timothy iveson asco19 idea bxNo câncer colorretal estádio II de alto risco, nova análise colaborativa do IDEA discutiu a não-inferioridade de três versus seis meses de tratamento adjuvante com FOLFOX/CAPOX. O estudo não conseguiu demonstrar a não-inferioridade, ilustrando resultados que trafegam entre o benefício clínico e a significância estatística. O oncologista Timothy Iveson (foto), do Hospital Universitário Southampton NHS Foundation Trust, Reino Unido, é o primeiro autor do trabalho (Abstract 3501).

No panorama GI não-colorretal, estudo que avaliou nab-paclitaxel em pacientes com adenocarcinoma de pâncreas virgens de tratamento, após cirurgia de ressecção completa, sugere que nab-paclitaxel pode ser uma opção para pacientes não elegíveis para FOLFIRINOX, achado que pode apoiar essa indicação no cenário adjuvante (Abstract 4000).

Em apresentação de Josep Tabernero, do Vall d´Hebron Institute of Oncology, o estudo KEYNOTE-062 mostrou que o anti PD-1 pembrolizumabe associado à quimioterapia no câncer gástrico avançado ou no adenocarcinoma de junção gastroesofágica teve atividade comparável à quimioterapia isolada como tratamento inicial (LBA 4007).

Na cirurgia oncológica, estudo randomizado conduzido no Hospital Universitário de Oslo, Noruega, mostrou curvas de sobrevida comparáveis entre pacientes submetidos à abordagem laparoscópica (mediana de 80 meses) e aqueles que receberam cirurgia aberta (81 meses). “A cirurgia hepática laparoscópica não só apresentou menor taxa de complicações pós-operatórias e melhorou a qualidade de vida, como foi custo-efetiva”, disse o investigador principal, Åsmund Avdem Fretland (Abstract LBA 3516).

“São dados animadores em um cenário onde muitas vezes o paciente ainda receberá tratamento sistêmico após a cirurgia, visto que muitos são tratados com esquema perioperatório de quimioterapia. Assim, quanto mais precoce e melhor a recuperação do paciente, maior a probabilidade de seguir o plano de tratamento pré-estabelecido”, afirma Heber Ribeiro, cirurgião do AC Camargo Cancer Center e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO). O especialista ressalta que os pacientes do estudo norueguês foram muito bem selecionados, com baixo volume de doença demostrado pela média do número de nódulos, de 1.6 para cirurgia aberta e 1.5 para cirurgia laparoscópica, CEA baixo e um escore de risco clínico de 2 em ambos os grupos, confirmando o perfil favorável de casos elegíveis. “Além disso, a expertise do grupo que conduziu os procedimentos é importantíssima, uma vez que se trata de estudo unicêntrico e os cirurgiões envolvidos já haviam realizado mais de 400 ressecções hepáticas laparoscópicas antes de iniciar o trial”, ressalta.

Mais sobre tumores gastrointestinais na ASCO 2019

Os highlights de câncer de cólon

GI não colorretal, avanços e controvérsias

Inibidor de PARP no câncer de pâncreas metastático BRCA mutado

HORG-IDEA: três versus seis meses de FOLFOX ou CAPOX adjuvante no câncer de cólon

IDEA: nova análise sobre adjuvância no câncer de cólon

Subtipos moleculares e resposta ao tratamento adjuvante no câncer gástrico

ASCO 2019: Estudo brasileiro mostra associação de esquistossomose e câncer colorretal

Nab-paclitaxel na adjuvância do câncer de pâncreas

Imuno-oncologia no câncer esofagogástrico

 

Publicidade
300x250 ad onconews200519
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250