24082019Sáb
AtualizadoSex, 23 Ago 2019 1pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

ASCO 2019

Quimio adjuvante no CPNPC estádio I com alto risco de recorrência

yasuhiro tsutani bxO papel da quimioterapia adjuvante no câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC) estádio I é controverso. Agora, estudo apresentado na ASCO 2019 por Yasuhiro Tsutani (foto), da Hiroshima University, Japão, demonstrou que o tratamento adjuvante pode melhorar a sobrevida de pacientes com CPNPC estádio I com fatores de alto risco para recorrência.

Foram analisados retrospectivamente dados de 1.278 pacientes com câncer de pulmão não pequenas células estádio I (8ª edição) submetidos à lobectomia. Fatores de alto risco para recorrência (RFS) foram determinados pelo modelo de riscos proporcionais multivariáveis ​​de Cox. Sobrevida livre de recorrência, sobrevida global (OS) e sobrevida câncer-específica (CSS) foram comparados entre os pacientes que receberam ou não quimioterapia adjuvante.

Resultados

Na análise multivariada, idade (≥ 70 anos; hazard ratio [HR], 2,14), tamanho do componente invasivo (> 2 cm; HR, 1,60), invasão pleural visceral (HR, 1,81), permeação linfática (HR, 1,67) e invasão vascular (HR, 2,78) foram identificados como fatores independentes para RFS.

Em pacientes com fatores de alto risco para recorrência, como tamanho do componente invasivo> 2 cm, invasão pleural visceral, permeação linfática ou invasão vascular (grupo de alto risco; n = 641), o RFS foi significativamente diferente entre pacientes que receberam quimioterapia adjuvante (n = 222; 5-y RFS, 81,4%) e aqueles que não receberam (n = 418; 5-y RFS, 73,8%; P = 0,023). A sobrevida global e sobrevida câncer-específica também foram superiores em pacientes que receberam quimioterapia adjuvante (5-y OS, 92,7%; 5-y CSS, 95%) em comparação com aqueles sem tratamento adjuvante (5-y OS, 81,7%; P <0,0001; 5 -y CSS, 89,5%, P = 0,012).

Em pacientes sem nenhum fator de alto risco para recidiva (grupo de baixo risco; n = 637), o RFS não foi significativamente diferente entre os que receberam quimioterapia adjuvante (n = 83; 5-y RFS, 98,1%) e aqueles que não foram tratados na adjuvância (n = 554; 5-y RFS, 95,7%; P = 0,30). A sobrevida global e sobrevida câncer-específica também não foram significativamente diferentes entre os pacientes que receberam quimioterapia adjuvante (5-y OS, 98%; 5-y CSS, 100%) e aqueles que não receberam o tratamento (5-y OS, 95,6%; P = 0,35; -y CSS, 99,4%, P = 0,52).

“A quimioterapia adjuvante pode melhorar a sobrevida em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas estádio I que apresentam fatores de alto risco para recorrência, como tamanho de componente invasivo> 2 cm, invasão pleural visceral, permeação linfática ou invasão vascular”, concluíram os autores.

Referência: Abstract 8500: Adjuvant chemotherapy for pathological stage I non-small cell lung cancer with high-risk factors for recurrence: A multicenter study - Yasuhiro Tsutani - J Clin Oncol 37, 2019 (suppl; abstr 8500)

Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519