15042024Seg
AtualizadoSex, 12 Abr 2024 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

ASCO GU 2024

Diferenças de incidência e mortalidade do câncer de próstata em países de alta e baixa renda

chinmay jani 1Nos últimos 30 anos, a incidência do câncer de próstata tem aumentado globalmente, e apesar da diminuição da razão mortalidade-incidência, estudo apresentado no ASCO GU 2024 demonstrou tendências contrastantes entre os países de acordo com a renda. Países de alta renda registaram a maior incidência da doença, mas também a maior diminuição nas taxas de mortalidade, enquanto países de baixa e média renda enfrentam desafios opostos, com um aumento menor na incidência, mas taxas de mortalidade mais elevadas. Os resultados foram apresentados por Chinmay Jani (foto), oncologista do Miami Sylvester Comprehensive Cancer Center.

“Este estudo avalia as tendências na incidência, mortalidade e anos de vida ajustados por incapacidade devido ao câncer de próstata com base nos níveis de rendimento dos países de acordo com o Banco Mundial entre 1990 e 2019”, esclarecem os autores.

O banco de dados do Global Burden of Disease Study foi usado para extrair taxas de incidência padronizadas por idade (ASIR), taxas de mortalidade padronizadas por idade (ASDR) e anos de vida (DALYs) para câncer de próstata em diferentes regiões com base nos níveis de renda de acordo com o Banco Mundial entre 1990 e 2019. Também foi adquirida variação percentual anual. As razões de mortalidade por incidência (MIR) foram calculadas, e as tendências avaliadas por meio da regressão Joinpoint.

Resultados

Entre 1990 e 2019, os ASIR aumentaram em todos os níveis de renda, com o maior crescimento em países de renda média-alta (+64,7%). Embora os ASDR tenham diminuído nos níveis de renda elevada, renda média-alta e média-baixa, aumentaram notavelmente nos níveis de renda baixa (+14,3%).

Os DALYs diminuíram nos países de renda alta e média-alta, principalmente na renda alta (-25,7%), e aumentaram nos níveis de renda média-baixa e baixa, principalmente na renda baixa (+13,8%). As MIR diminuíram em todos os países, com a maior diminuição nos níveis de renda elevadas (-50%). Nos últimos 30 anos, os países de renda elevada observaram consistentemente o ASIR mais elevado (2019: 77,5/100.000).

Contudo, em 1990, os países de rendimento elevado também tinham os ASDR e DALY mais elevados. Curiosamente, em 2019, este padrão mudou, com os países de renda baixa a ultrapassarem os países de renda elevada em ambos.

“Nos últimos 30 anos, a incidência do câncer de próstata tem aumentado independentemente do nível de rendimento. Apesar da diminuição universal dos MIR implicar melhores resultados, rastreio e estratégias terapêuticas, as tendências contrastantes nos ASDR e DALY em todos os níveis de rendimento demonstram as disparidades nos resultados de saúde”, destacaram os autores.

“Os países com rendimentos mais elevados registaram a maior incidência de câncer, mas também a maior diminuição nas taxas de mortalidade, enquanto os países com rendimentos mais baixos enfrentaram os desafios opostos, com um aumento menor, mas taxas de mortalidade mais elevadas”, concluíram.

Referência: Evolving trends in prostate cancer: Disparities across income levels and global regions (1990-2019).

 

Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519