29022024Qui
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

SAN ANTONIO 2023

Atividade física melhora qualidade de vida de pacientes com câncer de mama metastático

May Anne scaledSelecionado para apresentação em General Session no SABCS 2023, o estudo PREFERABLE-EFFECT demonstrou que Pacientes com câncer de mama metastático que participaram de um programa estruturado de atividade física por nove meses relataram menos fadiga e melhor qualidade de vida em comparação com aquelas que não participaram do programa de exercícios. Os resultados foram apresentados por Anne May (foto), professora no University Medical Center, em Utrecht, Holanda, e principal autora do trabalho.

“Otimizar a qualidade de vida é, obviamente, importante para todos, mas especialmente para os pacientes que vivem com doença metastática e que são submetidos a tratamento contínuo”, disse May. “Ao melhorar a qualidade de vida através de uma melhor gestão dos sintomas, podemos ajudar os pacientes a desfrutar melhor da sua vida pessoal, social e, se aplicável, profissional.”

Os investigadores avaliaram anteriormente os efeitos de programas de exercício em pacientes com câncer menos avançado, e descobriram que beneficiam a QVRS e os níveis de energia dos pacientes. No entanto, ainda não havia sido avaliado se esses benefícios também se aplicam a pacientes com doença metastática. “Um programa de exercícios mais longo pode ser necessário para pacientes com doença metastática porque o tratamento geralmente continua por períodos muito mais longos”, observou May.

May e colegas inscreveram 357 pacientes com cancro da mama metastático no ensaio PREFERABLE-EFFECT, uma colaboração entre instituições na Alemanha, Polónia, Espanha, Suécia, Holanda e Austrália.

Todos os participantes receberam um rastreador de atividade física e conselhos genéricos sobre exercícios; 178 pacientes foram randomizados para sessões de exercícios supervisionados duas vezes por semana durante nove meses envolvendo equilíbrio, resistência e exercícios aeróbicos (uma sessão semanal poderia ser realizada por meio de um aplicativo de exercícios durante os últimos três meses).

No momento da inscrição e após três, seis e nove meses, os participantes foram entrevistados usando o Questionário de Qualidade de Vida da Organização Europeia para Pesquisa e Tratamento do Câncer (EORTC-QLQ-30), um questionário abrangente que avalia as características físicas, mentais, emocionais, e qualidade de vida financeira. Além disso, o questionário EORTC-FA12 foi utilizado para avaliar a fadiga multidimensional dos participantes.

Cada questionário foi pontuado de 0 a 100, com pontuações mais altas no EORTC-QLQ-30 indicando melhora na QVRS e pontuações mais altas no EORTC-FA12 indicando níveis mais elevados de fadiga.

Os pesquisadores também testaram a aptidão física usando o teste de rampa íngreme, no qual os participantes foram solicitados a andar de bicicleta ergométrica em níveis crescentes de resistência até a exaustão voluntária.

Aos três, seis e nove meses, respectivamente, os pacientes designados para a intervenção com exercícios apresentaram pontuações médias de QVRS que foram 3,9, 4,8 e 4,2 pontos mais altas do que os pacientes no braço de controle. Os pacientes que participaram da intervenção com exercícios tiveram pontuações EORTC-FA12 3,4, 5,3 e 5,6 pontos mais baixas (indicando diminuição da fadiga) aos três, seis e nove meses, respectivamente, em comparação com os pacientes no braço controle. Todas as diferenças foram estatisticamente significativas.

Aos seis meses, os pacientes randomizados para a intervenção com exercícios também relataram pontuações significativamente melhores em subescalas importantes do EORTC-QLQ-30, em comparação com aqueles no braço de controle, incluindo um aumento de 5,5 pontos no funcionamento social, uma diminuição de 7,1 pontos na dor, e uma diminuição de 7,6 pontos na falta de ar.

No teste de rampa íngreme, os pacientes do braço de exercício atingiram uma resistência máxima média 24,3 Watts (13%) maior que os do braço de controle. May e colegas descobriram que a intervenção de nove meses não só foi eficaz, mas também pode ter encorajado a adesão a longo prazo.

“Acreditamos que um programa de nove meses ajuda os pacientes a incorporar exercícios em sua rotina. Muitos pacientes continuaram a praticar exercícios além dos nove meses; os exercícios tornaram-se parte de suas vidas diárias e dos regimes de tratamento do câncer”, afirmou May.

Com base nestas conclusões, May sugeriu que médicos e enfermeiros devem recomendar regularmente exercícios supervisionados a pacientes com câncer de mama metastático e que os responsáveis por políticas públicas e as companhias de seguros deveriam garantir a cobertura de custos para programas de exercício.

O financiamento para este estudo foi fornecido pelo programa de pesquisa e inovação European Union’s Horizon 2020, como parte do projeto PREFERABLE, e pelo Conselho Nacional de Saúde e Investigação Médica da Austrália.

Referência: Abstract GS02-10 Effects of a structured and individualized exercise program on fatigue and health-related quality of life in patients with metastatic breast cancer: the multinational randomized controlled PREFERABLE-EFFECT study

Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519