29022024Qui
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

SAN ANTONIO 2023

AMBER: Padrão de sono e qualidade de vida em pacientes com câncer de mama recém-diagnosticado

sonoAnálise selecionada para a Poster Spotlight Sessions no SABCS 2023 investigou as associações da saúde do sono, caracterizada pela duração do sono, horário do sono e uma série de métricas de qualidade do sono (latência, eficiência, perturbação, medicação, disfunção diurna) com o bem-estar físico e mental em mulheres recém diagnosticadas com câncer de mama.

“A alta incidência, o envelhecimento e os avanços na detecção precoce e no tratamento clínico levaram a uma crescente população sobrevivente do câncer de mama, particularmente nos países desenvolvidos. Os problemas de sono são comuns e persistem nesta população, afetando mais de 50% das sobreviventes da doença. Uma boa saúde do sono é caracterizada pela duração do sono, pelo horário e pela qualidade do sono, e essas três dimensões não estão necessariamente correlacionadas entre si”, esclareceram os autores.

Neste estudo, pacientes com câncer de mama recém-diagnosticadas com doença em estágio inicial foram recrutadas entre 2012-2019 em Edmonton e Calgary, Canadá, e preencheram o Pittsburg Sleep Quality Index (PSQI) para avaliar a duração e o tempo habituais do sono, bem como a latência do sono, eficiência, perturbação, medicação e disfunção diurna.

Para medir a qualidade de vida, os participantes preencheram o SF-36 version-2 para avaliar o seu bem-estar físico e mental. Regressões lineares multivariadas foram utilizadas para estimar a associação das características do sono com o bem-estar físico e mental, ajustando para fatores sociodemográficos, de doenças, clínicos e comportamentais de estilo de vida.

Resultados

Entre 1.409 sobreviventes de câncer de mama, 41% relataram duração de sono curta ou longa (< 6 ou ≥9 h/d), 41% relataram dormir habitualmente depois das 23h, 56% relataram que a eficiência do sono era < 85%, 80% relataram perturbação do sono mediana (vs. muito bom), 35% relataram ter tomado medicação para dormir no último mês e 71% relataram função diurna bastante boa, bastante ruim ou muito ruim (vs. muito boa).

No modelo multivariável, sono curto (≤6/d) foi associado a pior bem-estar mental (-3,6, IC 95%: -4,7, -2,4), mas não ao bem-estar físico (- 1,5, IC 95%: - 2,3,-0,7). Não foram encontradas diferenças clinicamente significativas na qualidade de vida no que diz respeito ao horário de sono. As métricas que caracterizam a qualidade do sono abaixo do ideal foram associadas a um pior bem-estar físico e mental, com associações mais fortes observadas para o bem-estar da saúde mental.

Notavelmente, apenas 20% e 29% das mulheres foram classificadas como “muito boas” nas medidas de distúrbios do sono e disfunções diurnas, respectivamente. No entanto, mesmo distúrbios do sono e disfunções diurnas “razoavelmente bons” foram associados a piora estatisticamente e clinicamente significativas do bem estar físico (-3, 95% CI: -3,8, -2,2) e mental (-8, 95% CI: -9, -7).

“O horário do sono não parece afetar a qualidade de vida de maneira clinicamente significativa em mulheres recém-diagnosticadas com câncer de mama. Em contraste, a curta duração do sono e a pior qualidade do sono foram fortemente associadas a um pior bem-estar mental nestas mulheres. Intervenções direcionadas para melhorar o sono podem levar a melhorias na qualidade de vida entre mulheres com câncer de mama recém-diagnosticado”, concluíram os autores.

Referência: PS02-04 Associations of sleep health with quality of life among women with newly diagnosed breast cancer: baseline results from the AMBER cohort study
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519