14042024Dom
AtualizadoSex, 12 Abr 2024 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

ESMO 2023

Brasileiros são premiados pelo melhor poster do ESMO 2023 em câncer de pulmão

poster esmo maysa 1Estudo de pesquisadores brasileiros foi eleito o melhor poster do ESMO 2023 na categoria câncer de pulmão metastático.  O trabalho é uma revisão sistemática e meta-análise sobre eventos adversos neurocognitivos em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) tratados com o inibidor de TKI lorlatinib. O oncologista Thiago Madeira recebeu a premiação em nome do grupo de pesquisa, que tem como autora sênior a oncologista Maysa Silveira Vilbert, do Princess Margaret Cancer Center, e como primeiro autor Jonathan Priantti, estudante de medicina da Universidade Federal do Amazonas e membro da Liga Acadêmica de Oncologia do Amazonas (LAO-AM).

Lorlatinib (LOR), um inibidor da tirosina quinase de 3ª geração (TKI), tem mostrado atividade promissora no CPNP. No entanto, o tratamento tem sido associado a um número crescente de eventos adversos neurocognitivos (NAEs). Esta revisão sistemática com meta-análise avaliou os NAEs associados à terapia LOR em pacientes com CPCNP.

Os autores consideraram as bases PubMed, Scopus e Cochrane Library, pesquisando por ensaios clínicos e estudos de coorte observacionais que investigam LOR para pacientes com CPCNP. Os NAEs foram definidos como o conjunto de efeitos cognitivos, efeitos de humor, efeitos de fala e efeitos psicóticos.

Foram incluídos 16 estudos com 1.147 pacientes, dos quais 56% eram do sexo feminino, 8% eram asiáticos, 8% tinham histórico de tabagismo, 62% tinham metástases cerebrais e 1% status de desempenho ECOG 2 ou superior. A maioria dos pacientes já havia recebido um TKI de primeira geração antes de LOR.

Uma análise agrupada de NAEs mostrou uma prevalência de efeitos cognitivos em 15,57% da população geral (IC 95% 8,40 e 22,73, I2 90%), efeitos de humor em 11,93% (IC 95% 5,80 e 18,06, I2 89%), efeitos de fala em 6,56% (IC 95% 1,79 e 11,34, I2 91%), e efeitos psicóticos em 4,15% (IC 95% 1,46 e 6,83, I2 74%). Em uma análise de subgrupo, os pesquisadores encontraram taxas mais altas de efeitos cognitivos em ensaios clínicos do que em dados do mundo real (23,57% vs. 9,36%, p = 0,05), e uma diferença significativa também foi observada em efeitos no humor (18,64% vs. 3,70%, p < 0,01). Os NAEs foram controláveis com modificação da dose, interrupção temporária e/ou medicação concomitante.

“Nosso estudo revelou que lorlatinib está associado a aspectos cognitivos, de humor, de fala e efeitos psicóticos em aproximadamente 16%, 12%, 7% e 4% dos pacientes, respectivamente. Encontramos diferenças significativas na prevalência de efeitos cognitivos e de humor entre ensaios clínicos e dados do mundo real”, destacam os autores. “Além disso, todas as análises tiveram alta heterogeneidade entre os estudos. Coletivamente, esses achados ressaltam a importância de educar pacientes e profissionais de saúde sobre NAEs associados a LOR para facilitar a detecção precoce e o manejo de NAEs, com o objetivo de melhorar o desempenho dos pacientes com CPCNP e sua qualidade de vida”, concluem.

Referência: Neurocognitive adverse events related to lorlatinib in nonsmall cell lung cancer: A systematic review and metaanalysis. J.N. Priantti1, F. Cezar A Moraes2, T.M. Madeira3, E. Moisés de Lima Santiago4, M. Silveira Vilbert5 – 1 Department of Internal Medicine, Universidade Federal do Amazonas - Faculdade de Medicina, Manaus, Brazil; 2 Department of Internal Medicine, UFPA – Universidade Federal do Pará, Belém, Brazil; 3 Department of Internal Medicine, UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brazil; 4 Department of Internal Medicine, HU/EBSERH/UFMS, Campo Grande, Brazil; 5 Department of Clinical Oncology, UHN - University Health Network - Princess Margaret Cancer Center, Toronto, ON, Canada

Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519