29022024Qui
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

ASH 2023

Análise harmoniza classificações de síndromes mielodisplásicas da OMS e ICC de 2022

luca laninoEm 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Classificação de Consenso Internacional (ICC) introduziram mutações genéticas e anomalias cromossômicas em suas classificações distintas de síndromes mielodisplásicas (SMD). Estudo realizado pelo Consórcio Internacional para Síndrome Mielodisplásica (icMDS), adotou uma abordagem baseada em dados e métodos estatísticos para fornecer um roteiro de harmonização entre as duas classificações. Os resultados foram apresentados no ASH 2023 por Luca Lanino (foto), hematologista do Centro Clínico e de Pesquisa Humanitas, em Milão, Itália.

“A inclusão de mutações genéticas e anomalias cromossômicas nas classificações de SMD da OMS e da ICC de 2022 aumentou a precisão do diagnóstico e espera-se que melhore o processo de tomada de decisão clínica. Embora estes dois sistemas partilhem semelhanças, ainda existem discrepâncias clinicamente relevantes e que potencialmente causam inconsistência na sua adoção num ambiente clínico”, observaram os autores.

Os pesquisadores analisaram coortes internacionais retrospectivas de pacientes anotados com dados moleculares e citogenéticos que, de acordo com os critérios da OMS de 2016, tinham diagnóstico de SMD (n=7.017) e leucemia mieloide aguda (LMA; n=1.002). Embora a discordância entre os critérios de classificação da OMS e da ICC não tenha sido calculada, Lanino estima uma discordância de aproximadamente 10% entre os dois critérios.

Processos hierárquicos de Dirichlet foram aplicados para definir clusters que capturam amplas dependências entre todas as mutações genéticas e anormalidades citogenéticas. Foram identificados 9 grupos, definidos por características genômicas específicas, sendo os três primeiros baseados em características genômicas.

O grupo 1 teve a maior importância hierárquica e incluiu SMD com mutação TP53.

A principal característica genômica que contribuiu para este grupo foi a presença da inativação bialélica do TP53 (biTP53). A maioria dos pacientes designados para o grupo biTP53 apresentava VAF TP53>10% (77,9%) e cariótipo complexo (70,1%). A atribuição ao grupo biTP53 foi independente da contagem de blastos.

O segundo grupo incluiu pacientes com del(5q). A análise SHAP destacou apenas a deleção 5q, ou com outra anormalidade cromossômica diferente de -7, e ausência de biTP53, como as características mais relevantes. A maioria desses pacientes apresentou contagem de blastos <5% (88,1%).

O terceiro grupo distinto incluiu pacientes com mutações no SF3B1 (na ausência de del (7q), abn3q26.2, cariótipo complexo ou mutação RUNX1 concomitante). A maioria dos pacientes com SMD e mutação SF3B1 apresentou <5% de blastos (94,2%). Variantes comutadas comuns no grupo SF3B1 incluíram as mutações DNMT3A (25,2%) e TET2 (38,3%).

Os casos de SMD morfologicamente definidos (isto é, que não atendem aos critérios para biTP53, del (5q) ou SF3B1) foram preferencialmente atribuídos aos seguintes grupos adicionais: SF3B1 e mutações concomitantes de maior risco (por exemplo, RUNX1 e ASXL1); SRSF2 e mutações concomitantes de TET2; Mutações U2AF1 com del(20q), del(7q) ou -7; SRSF2 com mutações TET2 e padrões co-mutacionais incluindo RUNX1 e ASXL1; e assinaturas genômicas semelhantes a AML.

A análise indicou que a SMD morfologicamente definida é caracterizada por uma grande heterogeneidade em termos de perfis de mutação, e que esta heterogeneidade não é inteiramente capturada pela presença de displasia de linhagem única versus displasia de múltiplas linhagens. Os investigadores identificaram, no entanto, semelhanças entre os agrupamentos de SMD semelhantes à LMA e assinaturas genômicas selecionadas de LMA, de modo que a sobreposição nas assinaturas genômicas foi de 29%.

Em síntese, o estudo demonstrou a utilidade de uma abordagem dirigida por dados e baseada em métodos estatísticos avançados para gerar uma classificação harmonizada para síndromes mielodisplásicas. “O refinamento adicional das entidades e dos critérios de classificação é o assunto da abordagem de consenso modificada em andamento entre os especialistas do icMDS”, concluíram os autores.

Referência: 998 Data-Driven Harmonization of 2022 Who and ICC Classifications of Myelodysplastic Syndromes/Neoplasms (MDS): A Study By the International Consortium for MDS (icMDS)

Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519