29022024Qui
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

ASH 2023

Loyal: LMA recém-diagnosticada na América Latina

eduardo regoEduardo Magalhães Rego (foto), professor de onco-hematologia da USP e coordenador da Hematologia D’Or, é o primeiro autor de estudo selecionado para apresentação em pôster no ASH 2023 que busca descrever a epidemiologia, características clínicas e demográficas, padrões de tratamento, resultados de sobrevida e uso de recursos de saúde de pacientes latino-americanos com leucemia mieloide aguda recém-diagnosticada.

A leucemia mieloide aguda (LMA) é a leucemia mais frequente entre adultos e representa 90% de todos os casos de leucemia aguda nessa população. Foram relatadas diferenças na incidência e na carga da LMA entre regiões do mundo. Quando comparada com registros dos EUA, Reino Unido e Suécia, a LMA na América Latina (AL) tem uma idade mais jovem ao diagnóstico (idade média de 40-47 versus 64-67 anos).

Além disso, estudos de centro único sugeriram resultados de tratamento insatisfatórios na América Latina. Por exemplo, Silveira et al relataram uma idade mediana no diagnóstico de 46 anos, frequência de citogenética favorável de 26% e mediana de sobrevida global (mOS) de 12 meses na coorte brasileira de pacientes com LMA recém-diagnosticada (nAML), enquanto os respectivos valores na Universidade de Oxford foram 51,5 anos, 11% e 48 meses para pacientes britânicos.

“Estudos mais amplos em toda a região são escassos e há necessidade de explorar mais as características dos pacientes com LMA e os resultados do tratamento na América Latina”, observaram os autores.

Neste estudo multicêntrico retrospectivo não intervencionista, dados de prontuários médicos de pacientes adultos com nAML na Argentina, Brasil, Chile e Colômbia que atenderam aos critérios de inclusão, (≥ 18 anos de idade no momento do diagnóstico, diagnóstico confirmado de nAML entre 1º de janeiro de 2015 e 31 de dezembro de 2019 e recebendo pelo menos uma linha de tratamento) foram considerados para análise descritiva.

Resultados

Um total de 518 pacientes com leucemia mieloide aguda recém-diagnosticada foram incluídos no estudo: 166 da Argentina, 205 do Brasil, 63 do Chile e 84 da Colômbia. No início do tratamento, estava disponível uma avaliação da aptidão (elegibilidade) para quimioterapia intensiva para 94% dos pacientes (n=489). A maioria foi considerada apta (75,5%; n=391) e recebeu terapia padrão 7+3.

Cerca de 11% dos pacientes (n=9) foram refratários à terapia de indução. A mediana de sobrevida global para pacientes aptos foi de 11,9 meses, enquanto para pacientes não aptos foi de 5,8 meses. O status mutacional dos genes listados pela Classificação Europeia LeukemiaNet (ELN) de 2017 não estava disponível para a maioria dos casos; e as categorias de risco foram atribuídas com base na citogenética.

Os pacientes na categoria de risco favorável tiveram mediana de sobrevida global (mOS) de 30,5 meses, enquanto aqueles na categoria de risco intermediário e desfavorável tiveram 11,1 e 9,1 meses, respectivamente. A probabilidade de taxas de SG em 5 anos para grupos de risco favorável, intermediário e desfavorável foi de 38,8%, 16,6% e 20,9%, respectivamente.

Oitenta e seis pacientes (17%) descontinuaram o tratamento devido a eventos adversos/toxicidade (33%; n=28), morte (32%; n=27) e progressão da doença (17%; n=14). Apenas 24% dos pacientes (n = 125) foram submetidos a transplante de células-tronco (do inglês, SCT - stem cell transplantation) posterior, principalmente alogênico (98%; n = 121).

Para SCTs, doadores idênticos (correspondentes) (50%; n = 59) e haploidênticos (35%; n = 41) foram os mais comuns. Os pacientes não elegíveis para quimioterapia intensiva foram tratados com agentes hipometilantes (HMA; 9%; n=47) e citarabina em baixa dose (LDAC; 5%; n=25), com 10% dos pacientes recebendo cuidados paliativos/de suporte. Os protocolos de tratamento mais comuns utilizados em pacientes recidivantes ou refratários (R/R) foram citarabina em altas doses (HDAC) (31%; n=85), seguida por FLAG-IDA (24%; n=66).

Em síntese, o estudo demonstra que para pacientes latino-americanos com leucemia mieloide aguda recém-diagnosticada, o tratamento mais comum em LA é 7+3 e a maioria dos pacientes é classificada como apta. “Grande parte dos pacientes teve seu risco avaliado apenas por análise citogenética, refletindo o acesso limitado a testes moleculares. Menos pacientes foram submetidos a transplante de células tronco como parte do tratamento em comparação com o relatado nos EUA e na Europa, provavelmente devido à disponibilidade restrita de camas hospitalares dedicadas ao transplante de medula óssea”, observaram os autores.

“Ao avaliar a sobrevida global, o estudo mostra maior mediana de sobrevida global para o grupo de risco favorável. Além disso, as medianas de SG para os grupos de risco citogenético intermediário e baixo foram semelhantes. É necessário um acesso mais amplo na região a testes moleculares, transplantes e novas terapias, a fim de reduzir a disparidade nos resultados, especialmente para pacientes com risco intermédio”, concluíram os autores.

Referência: 2855 Real-World Study in Acute Leukemia: Epidemiology, Treatment Patterns and Outcomes for Newly Diagnosed AML in Adult Patients from Latin America – Loyal Study

 

Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519