08122023Sex
AtualizadoQui, 07 Dez 2023 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

ASH 2022

Epcoritamab mostra eficácia e segurança no linfoma de grandes células B

sangueEpcoritamab, um anticorpo CD3xCD20 biespecífico administrado por via subcutânea (SC), demonstrou potente atividade antitumoral como agente único e em combinação. Os resultados da coorte de expansão EPCORE NHL-1 LBCL demonstraram eficácia clinicamente significativa em uma população altamente refratária, com perfil de segurança gerenciável, consistente com achados anteriores (Thieblemont et al, EHA 2022). No ASH 2022, os pesquisadores apresentaram dados adicionais de eficácia e segurança de epcoritamab na coorte de expansão envolvendo pacientes com linfoma de grandes células B (LBCL) do estudo de fase 2 EPCORE NHL-1 (NCT03625037).

Nesta análise, foram considerados adultos com LBCL recidivado ou refratário (R/R) e com expressão positiva de CD20+, tratados com epcoritamab SC 1 mL na dose inicial e nas doses intermediárias, seguidas por doses completas de epcoritamab em ciclos de 28 dias (QW: ciclos 1–3; Q2W: ciclos 4–9; Q4W: ciclos ≥10). A dosagem intensificada e a profilaxia com corticosteroides foram administradas no ciclo 1 para mitigar o risco de síndrome de liberação de citocinas (SRC). Subanálises pré-especificadas e exploratórias foram realizadas e a resposta foi avaliada por um comitê de revisão independente.

Resultados

Em 31 de janeiro de 2022, foram tratados 157 pacientes com LBCL, incluindo linfoma duplo/triplo (DH/TH). Os pacientes elegíveis tinham idade média de 64 anos (intervalo, 20-83), com média de 3 linhas anteriores de tratamento (intervalo, 2-11) e tempo médio desde o diagnóstico inicial de 1,6 anos. No geral, 39% dos pacientes receberam CAR T anterior, 20% tiveram transplante autólogo de células-tronco e 61% tiveram doença refratária primária; 14% dos pacientes com LBCL difuso (DLBCL; 12/88 testados) foram confirmados DH/TH por FISH central.

Em um acompanhamento médio de 10,7 meses, os autores descrevem que a taxa de resposta global (ORR) para a população total foi de 63%, com taxa de resposta completa (CR) de 39%. A duração mediana da resposta (mDOR) foi de 12,0 meses (95% CI, 6,6–não alcançado [NR]). Em análises de subgrupo, mDOR foi NR (95% CI, 2,8–NR) para pacientes refratários primários, 9,7 meses (95% CI, 5,4–NR) para pacientes com CAR T anterior, 12,0 meses (95% CI, 5,6–NR) para pts CAR T-naive e 12,0 meses (95% CI, 1,1-NR) para pacientes DH/TH.

As respostas ocorreram precocemente, com média de 1,4 meses. O mDOR em pacientes que atingiram CR foi de 12 meses para DH/TH pts e não alcançado em outros subgrupos. A negatividade de MRD foi avaliada por um ensaio de ctDNA NGS nesta população LBCL, com 52 de 112 participantes avaliáveis (46,4%) sendo MRD negativo em qualquer momento do tratamento. A negatividade MRD foi alcançada precocemente (mediana de 8 semanas para respondedores completos), e altas taxas de negatividade MRD foram observadas em todas os subgrupos: 50% em pacientes com CAR T anterior, 44% em pacientes CAR T-naive, 33% em DH/TH e 49% em pacientes não DH/TH.

As respostas MRD-negativas foram duráveis (Tabela) e correlacionadas com sobrevida livre de progressão (SLP). A durabilidade da CR também foi demonstrada em uma coorte de pacientes com DLBCL tratada com escalonamento de dose com acompanhamento estendido (mediana, 21,1 meses; acompanhamento mais longo, 26,7 meses), dos quais 6 pacientes (em ≥12 mg) permanecem em tratamento Q4W e em CR, com duração mediana de CR não alcançada.

Em relação ao perfil de segurança, epcoritamab foi bem tolerado. A incidência de EAs diminuiu após a semana 12 e apenas 1 paciente experimentou qualquer EA grave relacionado ao tratamento após a semana 12 (grau 1/2 da SRC). A análise apresentada no ASH`22 mostra que SRC foi relatada em 78 pacientes (49,7%) e todos, exceto 1 evento, foram resolvidos. Os eventos foram principalmente de baixo grau (31,8% de grau 1, 15,3% de grau 2 e 2,5% de grau 3), com 5,7% dos pacientes apresentando SRC após a dose primária, 11,8% após a dose intermediária, 42,9% após a primeira dose completa, 4,9% após a segunda dose completa e 2,9% após a terceira dose completa ou doses posteriores.

O tempo mediano para o início da SRC após a primeira dose completa foi de 20,0 h (intervalo de 12-126). Os resultados ainda mostram que 10 pacientes tiveram eventos ICANS; 9 eventos foram de grau 1 ou 2 e houve 1 evento de grau 5 (a única morte relacionada ao tratamento, pt com múltiplos fatores de confusão). Todos os eventos ICANS, exceto 1, ocorreram no ciclo 1. Houve 8 pacientes (5%) que experimentaram CRS e ICANS. Neutropenia de grau 3 ou 4 ocorreu em 33 pacientes (21,0%; 10,8% grau 3, 10,2% grau 4). Anemia de grau 3 foi relatada em 16 pacientes (10,2%). Poucos pacientes descontinuaram o tratamento com epcoritamabe devido a EAs (n=11) e não houve interrupção do tratamento devido a neutropenia ou anemia.

“Epcoritamab SC é uma terapia pronta para uso que demonstrou respostas profundas e duráveis, incluindo altas taxas de negatividade de MRD como agente único. O perfil de segurança foi favorável e os eventos de SRC foram em sua maioria de baixo grau e transitórios, ocorrendo majoritariamente após a primeira dose completa. Essas análises de subgrupo demonstram atividade consistente e clinicamente significativa de epcoritamab em subgrupos de pacientes com LBCL R/R”, concluem os autores.

abs 4251 ash22
Referência: 4251 Epcoritamab Monotherapy Provides Deep and Durable Responses Including Minimal Residual Disease (MRD) Negativity: Novel Subgroup Analyses in Patients with Relapsed/Refractory (R/R) Large B-Cell Lymphoma (LBCL)
Program: Oral and Poster Abstracts
Session: 626. Aggressive Lymphomas: Prospective Therapeutic Trials: Poster III
Monday, December 12, 2022, 6:00 PM-8:00 PM
Tycel Phillips, MD1, 1University of Michigan Comprehensive Cancer Center, Ann Arbor, MI et al

 
Publicidade
A.C. CAMARGO 70 ANOS
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519