01072022Sex
AtualizadoSex, 01 Jul 2022 12pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO GU 2022

Papel da nefrectomia citorredutora no câncer renal metastático e trombo tumoral

fernando korkes bxAnálise retrospectiva de pacientes com carcinoma de células renais metastático de novo demonstrou que pacientes com trombo tumoral apresentaram resultados semelhantes aos pacientes sem extensão tumoral intravascular após o tratamento sistêmico. O trabalho também sugere um papel importante da nefrectomia citorredutora no aumento da sobrevida global em pacientes com trombo tumoral. Fernando Korkes (foto), urologista no Hospital Israelita Albert Einstein e chefe do Grupo de Uro-Oncologia da FMABC, comenta os resultados.

“Este estudo mostra dados interessantes. Primeiro que a ocorrência de trombo tumoral é relativamente frequente nesta população de pacientes com RCC metastático (mRCC) de novo. NA população estudada dE 226 pacientes, 28% apresentavam trombos tumorais. Em segundo lugar, embora haja um grande debate sobre o papel da nefrectomia citorredutora (NC) para o mRCC, é importante tentarmos buscar grupos específicos onde parece haver mais benefício. Embora dados recentes de estudos de fase III possam sugerir que o papel da nefrectomia citorredutora upfront no CCRm é limitado, este estudo retrospectivo gera hipóteses interessantes sobre esta população de doentes com trombo tumoral. Este estudo demonstrou um ganho de sobrevida global expressivo para pacientes com mRCC com trombo tumoral, de 12 para 29 meses”, observa Korkes.  

Nesse estudo, Abhenil Mittal e colegas do Princess Margaret Cancer Centre, em Toronto, procuraram entender melhor a influência da nefrectomia citorredutora e da terapia sistêmica em pacientes com CCRm de novo tratados na instituição nos últimos 20 anos. Foram coletados dados demográficos, características da doença (incluindo a presença de trombo) e resultados de sobrevida. A sobrevida livre de progressão (SLP) e a sobrevida global (SG) foram calculadas usando o método de Kaplan-Meier (log-rank).

Resultados

No total, 157 pacientes foram submetidos a nefrectomia citorredutora e 69 receberam apenas terapia sistêmica. Da coorte total, 64 pacientes (28%) apresentavam trombo tumoral na apresentação (46 NC, 18 sem NC). Dos 18 pacientes com trombo tumoral tratados apenas com terapia sistêmica, 17 receberam inibidores de angiogênese de primeira linha e 1 fez quimioterapia (histologia medular). Seis (33%) apresentaram progressão do trombo, 8 (44%) doença estável e quatro (22%) resposta objetiva.

A mediana de SLP e SG para pacientes com e sem trombo tumoral tratados apenas com terapia sistêmica não foi significativamente diferente [5,3m (95% CI 3,6-11,7) vs 4,1m (95% CI 3,1-5,9)), p=0,33; SG: 12,1m (IC 95% 8,8-27,7) vs 13,9m (IC 95% 7,9-21,5), p=0,87). A sobrevida livre de progressão para pacientes com trombo tumoral submetidos a nefrectomia citorredutora foi semelhante aos tratados apenas com terapia sistêmica [8,4 m (IC 95%: 5,7-13,4) vs 5,3 m (IC 95% 3,6-11,7), p = 0,57], mas a sobrevida global foi significativamente melhor favorecendo a nefrectomia citorredutora [29,4m (IC 95%: 17,4-48,9) vs 12,1m (IC 95% 8,8-27,7), p=0,01).

“Esses achados diferem daqueles observados no carcinoma de células renais não metastático, onde a ressecção prévia do trombo tumoral está associada a piores resultados. Embora os pacientes em nosso estudo tenham mediana de sobrevida mais curta do que a relatada em ensaios de inibidores anti-VEGF, o impacto prognóstico negativo do trombo tumoral parece ser diluído no contexto de metástase em outros lugares”, ressalta Mittal.

“Nesta série de pacientes com CCRm e trombo tratados com terapia sistêmica +/- nefrectomia citorredutora, o procedimento cirúrgico parece desempenhar um papel importante. Mais dados são necessários sobre pacientes com trombo tumoral tratados com imunoterapia para confirmar esses achados e elucidar o papel da cirurgia nessas coortes”, destacaram os autores, acrescentando que o viés devido ao desenho retrospectivo do estudo é uma limitação importante.

"Este é o primeiro estudo a elucidar o benefício de uma intervenção cirúrgica em tais pacientes no cenário metastático. Isso pode destacar um subconjunto de pacientes em que a nefrectomia ainda pode ser considerada como tratamento padrão no contexto da doença metastática”, concluiu Mittal.

Referência: The role of cytoreductive nephrectomy and systemic therapy in the management of tumor thrombus in patients with metastatic renal cell carcinoma.
First Author: Abhenil Mittal, MD

Meeting: 2022 ASCO Genitourinary Cancers Symposium
Session Type: Poster Session
Session Title: Poster Session C: Renal Cell Cancer; Adrenal, Penile, Urethral, and Testicular Cancers
Track: Renal Cell Cancer
Subtrack: Therapeutics
Abstract #: 345
Citation: J Clin Oncol 40, 2022 (suppl 6; abstr 345)
DOI: 10.1200/JCO.2022.40.6_suppl.345

 

 
Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519