19042024Sex
AtualizadoSex, 19 Abr 2024 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

ASCO 2022

Superando barreiras na pesquisa clínica em câncer

inequalityA Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) e a Associação de Centros Comunitários de Câncer (ACCC) dos Estados Unidos divulgaram recomendações conjuntas que abordam a falta de equidade, diversidade e inclusão (EDI) em ensaios clínicos de câncer. Publicada no Journal of Clinical Oncology, a recomendação também ecoa no programa científico do ASCO 2022 e detalha ações específicas para envolver todo o ecossistema de ensaios clínicos no esforço de expandir a participação de indivíduos sub-representados na pesquisa em câncer.

“Garantir que cada indivíduo com câncer tenha a oportunidade de participar de uma pesquisa de câncer equitativa e de alta qualidade exigirá um esforço concentrado de todas as partes interessadas”, disse Lori J. Pierce, presidente do conselho da ASCO, co- presidente da ASCO-ACCC. “Remover as barreiras à inscrição e participação de pessoas historicamente sub-representadas em ensaios clínicos é um imperativo científico e ético crítico para toda a comunidade do câncer”, destacou.

A declaração de pesquisa da ASCO-ACCC ressalta que a participação inclusiva em ensaios clínicos é fundamental para entender as diferenças potenciais de eficácia e segurança em diversas populações, mitigar as disparidades raciais e étnicas nos resultados de saúde e promover a equidade. Apesar de representar 15% e 13% das pessoas com câncer nos EUA, respectivamente, apenas 4%-6% dos participantes do estudo são negros e 3%-6% são hispânicos, descreve a publicação.

“Ao divulgar essas recomendações, reconhecemos que um compromisso conjunto de todas as partes interessadas em pesquisa é extremamente necessário para aumentar a equidade, a diversidade e a inclusão, abordando as barreiras ao recrutamento e participação em ensaios clínicos de câncer”, disse o ex-presidente da ACCC, Randall A. Oyer, também co-presidente da ASCO-ACCC. “Nossa declaração conjunta oferece um guia útil e holístico para abordar as barreiras nos níveis do clínico, paciente, estudo e programa de pesquisa. Embora a ASCO e a ACCC continuem trabalhando para avançar nas recomendações desta publicação, acreditamos que todos os envolvidos na pesquisa em câncer poderão identificar formas de contribuir individual e coletivamente para esse esforço crítico”.

Principais recomendações:

·        Acesso a ensaios clínicos: Os ensaios clínicos são um componente integral do tratamento de câncer de alta qualidade, e todas as pessoas com câncer devem ter a oportunidade de participar.

·        Desenho focado em equidade: os patrocinadores e investigadores de ensaios clínicos devem projetar e implementar ensaios com foco na redução de barreiras e aprimoramento de EDI e trabalhar com locais para conduzir ensaios clínicos de forma a aumentar a participação de populações sub-representadas.

·        Parcerias entre grupos de partes interessadas: patrocinadores de ensaios clínicos, pesquisadores e centros devem formar parcerias de longa data com pacientes, grupos de defesa de pacientes e líderes e grupos comunitários.

·        Educação e treinamento contínuos: Qualquer pessoa que esteja projetando ou conduzindo ensaios deve concluir educação, treinamento e avaliação recorrentes para demonstrar e manter competências transculturais, mitigação de preconceitos, comunicação eficaz para construir confiança e compromisso de alcançar equidade, diversidade e inclusão em testes clínicos.

·        Investimento em EDI: As partes interessadas em pesquisa devem investir em programas e políticas que aumentem o EDI em ensaios clínicos e na força de trabalho de pesquisa.

·        Compartilhamento de dados e estratégias: As partes interessadas em pesquisa devem coletar e publicar dados agregados sobre a diversidade racial e étnica dos participantes do estudo ao relatar os resultados de estudos, programas e intervenções usados ​​para aumentar o EDI.

A iniciativa conjunta ASCO-ACCC foi lançada em julho de 2020 para aumentar a participação de populações raciais e étnicas sub-representadas em ensaios clínicos de câncer. A recomendação atual é baseada em extensa revisão da literatura e em consensos de especialistas e pacientes, incluindo aqueles que representam populações de minorias raciais e étnicas.

Referências:

1 Unger JM, Vaidya R, Hershman DL, et al: Systematic review and meta-analysis of the magnitude of structural, clinical, and physician and patient barriers to cancer clinical trial participation. J Natl Cancer Inst 111:245-255, 2019

2 Duma N, Aguilera JV, Paludo J, et al: Representation of minorities and women in oncology clinical trials: Review of the past 14 years. JCO Oncol Pract 14: e1-e10, 2018

3 Murthy VH, Krumholz HM, Gross CP: Participation in cancer clinical trials: Race-, sex-, and age-based disparities. JAMA 291:2720-2726, 2004
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519