19052022Qui
AtualizadoQua, 18 Maio 2022 11pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

PET PSMA e PET FDG como preditores de resposta e prognóstico de LuPSMA no mCPRC

jose mauricio 21 bxNo estudo de Fase II randomizado TheraP, pacientes com mCRPC que progrediram a docetaxel foram randomizados para receber LuPSMA vs. Cabazitaxel. Esse estudo demonstrou superioridade do tratamento com LuPSMA em termos de resposta por PSA (redução do PSA basal de 50% ou mais (PSA50-RR; 66% vs. 37%), e sobrevida livre de progressão por PSA ou radiográfico (HR 0,63). A inclusão do estudo exigiu alta captação de PSMA (pelo menos uma lesão com SUVmax maior ou igual a 20) e nenhuma lesão que fosse FDG-positivo e PSMA-negativo. José Maurício Mota (foto), chefe do Grupo de Tumores Geniturinários da Oncologia Clínica do ICESP/FMUSP e oncologista titular da Oncologia D’Or, analisa os resultados.


Papel da nefrectomia citorredutora no câncer renal metastático e trombo tumoral

fernando korkes bxAnálise retrospectiva de pacientes com carcinoma de células renais metastático de novo demonstrou que pacientes com trombo tumoral apresentaram resultados semelhantes aos pacientes sem extensão tumoral intravascular após o tratamento sistêmico. O trabalho também sugere um papel importante da nefrectomia citorredutora no aumento da sobrevida global em pacientes com trombo tumoral. Fernando Korkes (foto), urologista no Hospital Israelita Albert Einstein e chefe do Grupo de Uro-Oncologia da FMABC, comenta os resultados.

Caracterização genômica e variantes acionáveis no carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático

stecca 22 bxO oncologista Carlos Stecca (foto), ex-clinical research fellow no Princess Margaret Cancer Centre e atual membro do corpo clínico do Centro de Oncologia do Paraná (Curitiba) é primeiro autor de estudo selecionado para apresentação em pôster no ASCO GU 2022 que buscou determinar a viabilidade do uso de sequenciamento de próxima geração (NGS) para caracterizar o carcinoma urotelial metastático ou localmente avançado e identificar variantes potencialmente acionáveis. "As técnicas de sequenciamento genético são ferramentas importantes para a evolução do tratamento personalizado em oncologia, e tem trazido informações promissoras em carcinoma urotelial avançado", destaca Stecca.

Trastuzumabe deruxtecana e nivolumabe no câncer urotelial

cancer de bexigaO conjugado anticorpo droga trastuzumabe deruxtecana (T-DXd) combinado ao anti PD-1 nivolumabe mostrou atividade antitumoral em pacientes com câncer urotelial com expressão de HER2, com perfil de segurança consistente com dados já conhecidos para T-DXd em outras indicações e para monoterapia com nivolumabe em pacientes com câncer urotelial. Os dados são de estudo apresentado em Rapid Abstract Session por Matt D. Galsky, do Mount Sinai.

Tumores intraescrotais raros em um centro brasileiro de tratamento de câncer

mota trinconiEstudo brasileiro selecionado para apresentação em pôster no ASCO GU 2022 buscou descrever as características clínicas e patológicas, bem como os padrões de tratamento e os desfechos de pacientes com malignidades intraescrotais de células não germinativas tratados no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP-FMUSP) entre 2009 e 2020. “Por serem raros, a literatura sobre tumores testiculares de células não germinativas e malignidades paratesticulares ainda é escassa”, observam os autores. O oncologista Mateus Trinconi Cunha (na foto, à esquerda) é o primeiro autor do trabalho; José Mauricio Mota, chefe do Grupo de Tumores Geniturinários da Oncologia Clínica da instituição, o autor sênior.

Programa de mindfulness via smartphone para pacientes com câncer renal metastático

cristiane bergerot oficial bxA psico-oncologista Cristiane Bergerot (foto), do Instituto Unity de Ensino e Pesquisa e do Centro de Câncer de Brasília (CETTRO), é primeira autora de estudo selecionado para apresentação em pôster no ASCO GU 2022. O estudo avalia o benefício do uso de um aplicativo baseado na intervenção mindfulness para pacientes com câncer renal metastático. “Este é o primeiro estudo a implementar uma ferramenta de apoio psicossocial, baseada em evidências e acessível por smartphone, para pacientes com câncer renal metastático”, destaca Bergerot.

Enfortumab-vedotin como estratégia neoadjuvante no câncer de bexiga

maikol 22 bxDaniel Petrylak, do Yale Cancer Center, apresentou na ASCO GU 2022 novos dados do anticorpo droga conjugado enfortumab-vedotin, desta vez como estratégia neoadjuvante em monoterapia no câncer de bexiga músculo invasivo (MIBC), em pacientes inelegíveis ao tratamento com cisplatina. Os resultados são da coorte H do estudo EV-103 fase 1b/2. Maikol Kurahashi (foto), oncologista na Cionc - Centro Integrado de Oncologia de Curitiba, comenta os resultados do trabalho.

Cabozantinibe neoadjuvante no câncer renal avançado

rim 22 bxCabozantinibe é um inibidor de pequenas moléculas das tirosina-quinases c-Met, AXL e VEGFR2 aprovado para uso em pacientes com carcinoma de células renais (RCC) avançado. Agora, estudo destacado na ASCO GU 2022 apresenta resultados de cabozantinibe no cenário neoadjuvante do câncer renal, sugerindo benefícios significativos nesse cenário de tratamento.

IRONMAN: registro internacional de pacientes com câncer de próstata avançado

ANDRE FAY LACOG GU NET OKSelecionado para a sessão Trials in Progress no ASCO GU 2022, o estudo IRONMAN, O é uma coorte prospectiva de base populacional de pacientes com câncer de próstata metastático hormônio-sensível (mHSPC) e resistente à castração (CRPC) recém-diagnosticados. O objetivo é inscrever 5 mil homens em 16 países, entre eles o Brasil, com participação de 5 centros de tratamento oncológico. O oncologista André Fay (foto) é o principal investigador do estudo no Brasil.

MAGNITUDE: niraparibe e abiraterona no câncer de próstata metastático

prostata ascogu21Destacado em sessão oral na ASCO GU 2022, ensaio randomizado de Fase 3 (MAGNITUDE) avaliou se a adição do inibidor de PARP niraparibe ao tratamento com abiraterona + prednisona (AAP) melhora os resultados de pacientes com câncer de próstata metastático resistente a castração (mCRPC) com ou sem alterações nos genes associados à via de reparo por recombinação homóloga (HRR). O estudo tem participação brasileira, do Centro de Pesquisas da Personal Oncologia de Precisão, e os resultados mostram que NIRA + AAP melhorou a sobrevida livre de progressão radiográfica (rPFS), reduzindo o risco de progressão ou morte em 47% nos pacientes com mutação BRCA1/BRCA2 e em 27% em toda população com biomarcador HRR+.


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519