21092020Seg
AtualizadoSeg, 21 Set 2020 1am

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Coberturas Especiais

Apalutamida reduz risco de progressão no câncer de próstata metastático

ASCO prostata 1Análise post hoc do estudo TITAN apresentada em sessão oral no Simpósio ASCO GU 2020 mostrou que a adição de apalutamida à terapia de privação androgênica (ADT) reduziu o risco de segunda progressão em pacientes com câncer de próstata metastático hormônio sensível, independentemente da terapia subsequente (hormônio ou taxano).

O estudo TITAN, randomizado, duplo-cego, de fase 3, mostrou benefício de apalutamida (APA) versus placebo (PBO) combinado à ADT, com melhora significativa na sobrevida livre de progressão radiográfica e sobrevida global (Chi KN et al. NEJM 2019). Agora, novos dados foram apresentados no ASCO GU 2020.

Nesta análise, os pesquisadores consideraram o tempo entre a randomização e a progressão da doença (SLP2) após 1ª terapia subsequente (hormonal versus taxano).

Resultados

277 pacientes (APA, 87; PBO, 190) receberam terapia sistêmica subsequente para câncer de próstata; 86 pacientes (APA, 24; PBO, 62) receberam terapia hormonal (acetato de abiraterona + prednisona ou enzalutamida) e 99 (APA, 30; PBO, 69) receberam taxano (docetaxel ou cabazitaxel) como primeira terapia subsequente.

As características demográficas e da doença foram semelhantes entre os grupos no baseline. O grupo taxano apresentou maior proporção de pacientes com alto volume e pacientes com > 10 metástases ósseas e menor proporção com exposição prévia a docetaxel, quando comparados ao grupo hormonal. A duração média do tratamento com APA e PBO foi respectivamente de 11,9 e 11,1 meses no grupo hormonal e de 11,0 e 11,3 meses no grupo taxano.

Os resultados mostram que a SLP2 foi significativamente maior para APA vs PBO (HR 0,66 [95% CI 0,50-0,87], p = 0,0026), independentemente da terapia subsequente. Pacientes que receberam APA tiveram redução significativa no risco de 2ª progressão em comparação com PBO (terapia hormonal: HR 0,68 [0,48-0,97], p = 0,0326; taxano: HR 0,67 [0,48-0,94], p = 0,0189; medianas não alcançado).

Este estudo está registrado na ClinicalTrials.gov: NCT02489318. 

Referências: Time to second progression (PFS2) in patients (pts) from TITAN with metastatic castration-sensitive prostate cancer (mCSPC) by first subsequent therapy (hormonal vs. taxane) - Neeraj Agarwal et al - J Clin Oncol 38, 2020 (suppl 6; abstr 82)

Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519