14042021Qua
AtualizadoSeg, 12 Abr 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

SGO 2021

HIPEC de curta duração no câncer de ovário avançado

thales 21 bxThales Paulo Batista (foto), cirurgião oncológico do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP) e do Real Instituto de Cirurgia Oncológica, em Recife, é primeiro autor de estudo de Fase II selecionado para apresentação em pôster no encontro anual da Sociedade de Ginecologia Oncológica (SGO 2021). O estudo avaliou o papel da quimioterapia hipertérmica intraperitoneal (HIPEC) de curta duração no câncer de ovário avançado com grande volume de doença.

HIPEC é uma opção de tratamento promissora no câncer epitelial de ovário (EOC) com grande volume tumoral. Nesse ensaio clínico aberto, multicêntrico e de braço único, os autores avaliaram a eficácia e segurança de um regime de curta duração de HIPEC (30 minutos) no EOC avançado. A apresentação no SGO traz um resumo atualizado dos resultados do estudo, incluindo dados de sobrevida.

Métodos e resultados

A HIPEC foi realizada no momento da cirurgia citorredutora de intervalo (iCRS) após a quimioterapia neoadjuvante (NACT), utilizando a técnica de abdômen fechado com um regime baseado em concentração de cisplatina (25 mg/m²/L) ou cisplatina mais doxorrubicina (15mg/L) a 41–43° C.

A solução foi perfundida usando o dispositivo Performer HT (RAND Srl, Medolla, MO, Itália) a uma taxa de fluxo de 700ml/min. O endpoint primário foi a taxa de progressão em 9 meses (PD9, a proporção de pacientes com progressão da doença ou morte em até 9 meses após a iCRS com HIPEC). Os endpoints secundários incluíram os desfechos perioperatórios, tempo para iniciar a quimioterapia adjuvante, tempo de internação hospitalar e em UTI, a qualidade de vida em relação ao tratamento (EORTC QLQ -C30) e as taxas de sobrevida livre de progressão e sobrevida global em dois anos.

Quinze pacientes com câncer epitelial de ovário estágio III foram recrutados entre fevereiro de 2015 e julho de 2019. Quatro pacientes não apresentaram complicações pós-operatórias, 5 sofreram apenas complicações menores G1/G2 e 6 sofreram complicações G3, de acordo com a classificação NCI/CTCAE. Dois pacientes foram reoperados, um por hemorragia pós-operatória G3 e outro por infecção peritoneal, mas nenhum óbito foi registrado. Não foi observada nenhuma diferença significativa ao longo do tratamento nos scores de avaliação da qualidade de vida (p> 0,05).

Com mediana de acompanhamento de 32 meses (IQR, 24,3-46,5), a PD9 e mediana da sobrevida livre de progressão foram 6,7% e 18,1 meses, respectivamente. As taxas de sobrevida livre de progressão e sobrevida global em 2 anos foram 33,3% e 93,3%, respectivamente.

“Confirmamos a hipótese preliminar de eficácia e segurança para nossa abordagem abrangente envolvendo o uso de HIPEC de curta duração no câncer de ovário com grande volume tumoral. A HIPEC de curta duração no momento do iCRS também é uma abordagem promissora em termos de sobrevida”, concluíram os autores.

O trabalho é financiado pela Decit / SCTIE / MS - CNPq / FACEPE / SES-PE (APQ: 0187-4.01 / 13) e FAPE / IMIP, e está registrado em ClinicalTrials.Gov, NCT02249013.

Referência: A phase II trial of short-course Hyperthermic IntraPEritoneal Chemotherapy (HIPEC) for high tumor burden ovarian cancer: Updated report with preliminary survival outcomes – Glauco Baiocchi et al. SGO 2021 Virtual Annual Meeting On Women’s Cancer. [On-Line] Mar 19 - Mar 25, 2021. Available at https://www.sgo.org/events/annual-meeting/sessions-abstract-titles/

 
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519