17092021Sex
AtualizadoSex, 17 Set 2021 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO GU 2021

Abiraterona no CPRCm previamente tratado com dietilestilbestrol

DIOGO BASTOS LACOG GU NEW NET OKO oncologista Diogo Assed Bastos (foto), médico do ICESP e do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, é o primeiro autor de estudo de Fase II selecionado para apresentação em pôster no ASCO GU 2021 que avaliou a eficácia e segurança de abiraterona em pacientes com câncer de próstata metastático resistente à castração virgens de quimioterapia que progrediram após o uso de dietilestilbestrol.

O uso de dietilestilbestrol (DES) para o tratamento do câncer de próstata metastático resistente à castração (mCRPC) é muito comum em países em desenvolvimento. Dados retrospectivos sugerem que o acetato de abiraterona é ativo em pacientes que progrediram para DES.

Neste estudo, foram incluídos pacientes com CRPC metastático refratários ao dietilestilbestrol com terapia de privação androgênica em andamento, nível de testosterona sérico <50 ng / dL e ECOG de 0-2. Todos os pacientes receberam abiraterona 1.000 mg com prednisona 5 mg uma vez ao dia em ciclos de 28 dias. O endpoint primário foi o tempo de progressão do PSA (PSAP) pelo PCWG2 e foi relatado anteriormente. NO ASCO GU 2021, foram apresentados os endpoints secundários: sobrevida global, resposta do PSA, alteração máxima do PSA desde o baseline e segurança.

Foram nscritos um total de 46 pacientes, com mediana de 69,8 anos de idade. 76% dos pacientes tinham gleason> = 7 ao diagnóstico, tempo médio da doença metastática até a descontinuação do dietilestilbestrol de 25,9 meses e uma mediana de duração do dietilestilbestrol prévio de 7,2 meses. O tratamento com abiraterona resultou em um tempo médio de progressão do PSA de 7,3 meses. A taxa de resposta do PSA (³ 50%) foi de 47,5% (95% CI: 36,1% a 68,5%) em 12 semanas e 57,5% (95% CI: 27,0% a 59,1%) a qualquer momento. 93,4% dos pacientes receberam quimioterapia após a progressão para abiraterona. A mediana de sobrevida global foi de 29,6 meses.

Declínios substanciais nos andrógenos séricos do baseline até a semana 12 ocorreram e, neste grupo, houve uma proporção maior de respostas de PSA. A incidência de eventos adversos (EAs) relacionados à abiraterona foi de 74% e prednisona de 59%. Hipertensão (21,7%), fadiga (19,6%) e edema periférico (13,0%) foram os eventos adversos mais frequentes relacionados com o uso de abiraterona. Os eventos adversos mais frequentes relacionados com prednisona foram hiperglicemia (15,2%) e hipertensão (10,9%). Eventos adversos graves ocorreram em 23,9% dos indivíduos e 3 indivíduos (6,5%) morreram por causas não relacionadas aos medicamentos avaliados no estudo.

Os resultados demonstraram que abiraterona é bem tolerada e tem atividade demonstrada em pacientes com câncer de próstata metastático resistente à castração previamente tratados com dietilestilbestrol, e deve ser considerada como uma opção em pacientes sem quimioterapia prévia. “Os níveis séricos de andrógenos tendem a diminuir com o tratamento com abiraterona e estão associados à respostas do PSA”, destacaram.

O estudo foi financiado pela Janssen Cilag e está registrado em ClinicalTrial.Gov, NCT02217566.

“O estudo confirmou a hipótese de que a abiraterona é eficaz no cenário da doença resistente à castração mesmo em pacientes tratados previamente com estrógeno. A droga se mostrou ativa e no momento estamos conduzindo estudos exploratórios de biomarcadores que deverão ser publicados em breve”, concluiu Bastos.

Referência: Abstract 130 - Abiraterone acetate in patients with metastatic castration-resistant prostate cancer, chemo-naive, who received a prior diethylstilbestrol therapy. - J Clin Oncol 39, 2021 (suppl 6; abstr 130) - DOI: 10.1200/JCO.2021.39.6_suppl.130

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519