27102021Qua
AtualizadoQua, 27 Out 2021 2am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO GU 2021

SWOG 1500: cabozantinibe mostra resultados no carcinoma renal papilífero

sumanta palNo estudo SWOG 1500, cabozantinibe demonstrou aumento significativo na sobrevida livre de progressão em pacientes com carcinoma renal papilífero (pRCC) metastático em comparação com sunitinibe. “Esses dados apoiam cabozantinibe como um padrão de referência para pacientes elegíveis com pRCC”, destacam os autores. Sumanta Pal (foto), oncologista do City of Hope, é o primeiro autor do trabalho selecionado para apresentação oral no ASCO GU 2021 e publicado simultaneamente no The Lancet.

A sinalização MET é um driver molecular chave no carcinoma renal papilífero. Dado que não existe uma terapia ideal para a doença metastática, os autores buscaram comparar o padrão de tratamento atual, sunitinibe, com os inibidores de MET cabozantinibe, crizotinibe e savolitinibe. 

Foram elegíveis pacientes com pRCC patologicamente verificado, performance status Zubrod 0-1, doença metastática mensurável e até uma terapia sistêmica anterior, excluindo agentes direcionados a VEGF.

Os pacientes foram randomizados 1: 1: 1: 1 para receber sunitinibe, cabozantinibe, crizotinibe ou savolitinibe, com estratificação por recebimento de terapia anterior e subtipo de pRCC (I vs II vs não especificado [NOS]) com base na revisão local. Todas as doses do medicamento foram administradas por via oral: sunitinibe 50 mg, 4 semanas com e 2 semanas sem (reduções de dose para 37,5 mg e 25 mg permitidas); cabozantinibe 60 mg por dia (reduções para 40 mg e 20 mg permitidas); crizotinibe 250 mg duas vezes ao dia (reduções para 200 mg duas vezes ao dia e 250 mg uma vez ao dia permitidas); e savolitinibe 600 mg por dia (reduções para 400 mg e 200 mg permitidas).

O endpoint primário foi a sobrevida livre de progressão (SLP). Os endpoints secundários incluíram toxicidade, taxa de resposta e sobrevida global. As análises foram feitas em uma população com intenção de tratar, com pacientes que não receberam terapia de protocolo excluídos das análises de segurança. 

Resultados

Foram inscritos 152 pacientes entre abril de 2016 e dezembro de 2019. Cinco pacientes foram considerados inelegíveis após a randomização e foram excluídos dessas análises, resultando em 147 pacientes elegíveis. A mediana de idade foi de 66 anos (variação: 29-89), 76% eram do sexo masculino e 92% não havia recebido tratamento prévio. Pela revisão patológica local, 18%, 54% e 28% dos pacientes foram caracterizados como histologia tipo I, tipo II e não especificado, respectivamente. Em contraste, a frequência do tipo I, tipo II e NOS pela revisão central foi de 30%, 45% e 25%, respectivamente.

A atribuição aos grupos de savolitinibe (29 pacientes) e crizotinibe (28 pacientes) foi interrompida após uma análise de futilidade pré-especificada; o recrutamento planejado foi concluído para os grupos de sunitinibe (46 pacientes) e cabozantinibe (44 pacientes).

A mediana de sobrevida livre de progressão foi mais longa em pacientes no grupo de cabozantinibe (mediana de 9,0 meses, 95% CI 6–12) em comparação com o grupo que recebeu sunitinibe (5,6 meses, 3-7; hazard ratio para progressão ou morte 0·60, 0·37–0·97, p unilateral = 0·019). A taxa de resposta para cabozantinibe foi de 23% versus 4% para sunitinibe (p bilateral = 0,010). Savolitinibe e crizotinibe não melhoraram a SLP em comparação com sunitinibe.

Eventos adversos de graus 3 ou 4 ocorreram em 31 (69%) dos 45 pacientes que receberam sunitinibe, 32 pacientes (74%) dos 43 pacientes que receberam cabozantinibe, 10 (37%) de 27 pacientes que receberam crizotinibe e 11 (39%) dos 28 pacientes que receberam savolitinibe. Um evento tromboembólico de grau 5 foi registrado no grupo de cabozantinibe. 

“Neste estudo randomizado de múltiplos braços, apenas cabozantinibe resultou em um prolongamento estatisticamente e clinicamente significativo de sobrevida livre de progressão em pacientes com pRCC em comparação com sunitinibe. Esses dados apoiam cabozantinibe como um padrão de referência para pacientes elegíveis com pRCC metastático.

O estudo foi financiado pelo National Institutes of Health e National Cancer Institute, e está registrado em ClinicalTrials.Gov, NCT02761057.

Treatment Arm Number (events/eligible patients) Median PFS
(months)
PFS Hazard Ratio (95% CI)* 1-sided p-value*
Sunitinib 39/46 5.6 Reference NA
Cabozantinib 31/44 9.2 0.61 (0.37, 0.98) 0.021
Savolitinib** 29/29 3.0 1.25 (0.76, 2.05) 0.81
Crizotinib** 26/28 2.8 1.14 (0.68, 1.90) 0.69
                                                           * Cox model, adjusted for stratification factors
                                                           ** Closed to accrual early due to futility analysis


Referências:
Sunitinib versus cabozantinib, crizotinib or savolitinib in metastatic papillary renal cell carcinoma (pRCC): Results from the randomized phase II SWOG 1500 study. – Abstract #270 - Sumanta K. Pal et al - J Clin Oncol 39, 2021 (suppl 6; abstr 270) - DOI: 10.1200/JCO.2021.39.6_suppl.270

A comparison of sunitinib with cabozantinib, crizotinib, and savolitinib for treatment of advanced papillary renal cell carcinoma: a randomised, open-label, phase 2 trial – Prof Sumanta K Pal et al. -  Published: February 13, 2021 - DOI:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(21)00152-5

 

 

Publicidade
Outubro Rosa A.C.Camargo 2021
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519