20062021Dom
AtualizadoQui, 17 Jun 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO GI 2021

Microbioma intestinal e eficácia de nivolumabe no câncer gástrico

microbioma 2 bxEstudo translacional selecionado para a sessão oral do 2021 Gastrointestinal Cancers Symposium mostrou pela primeira vez que a invasão bacteriana de células epiteliais do microbioma intestinal pode se tornar um novo biomarcador para o tratamento com nivolumabe no câncer gástrico avançado, com potencial de prever a resposta aos inibidores de checkpoint imune.

A monoterapia com nivolumabe (Nivo) demonstrou benefício de sobrevida em pacientes com câncer gástrico (CG) previamente tratados (Kang YK, et al. Lancet 2017), mas cerca de 60% dos pacientes não responderam ao tratamento, evidenciando a importância de marcadores preditivos no CG. “Vários estudos revelaram que a eficácia da imunoterapia anti-PD-1 foi associada à composição do microbioma intestinal em diferentes tipos de câncer, mas pouco se sabe sobre o CG. Portanto, investigamos se as informações genômicas do microbioma intestinal servirão como preditores para Nivo em CG avançado”, justificam os autores.

Este estudo observacional / translacional (ensaio DELIVER: UMIN000030850) inscreveu 501 pacientes com CG avançado tratados apenas com Nivo de março de 2018 a agosto de 2019, com o objetivo de identificar biomarcadores do microbioma intestinal usando amostras fecais coletadas antes do tratamento com Nivo. O principal endpoint foi a relação entre a via genômica do microbioma intestinal e a eficácia de Nivo (RECIST v1.1). Os desfechos secundários incluíram várias relações entre marcadores de microbioma e resultados clínicos. Os dados genômicos foram obtidos por sequenciamento (NGS). Os biomarcadores foram analisados ​​pelo teste da soma de postos de Wilcoxon nos primeiros 200 pacientes (coorte de treinamento). Os 30 melhores candidatos em ordem crescente de valor-p foram validados nos últimos 300 pacientes (coorte de validação) usando o método de Bonferroni.

Resultados

Dados metagenômicos e clínicos de 180 de 200 pacientes e de 257 de 301 pacientes estavam disponíveis para análise nas coortes de treinamento e validação, respectivamente. A taxa de doença progressiva foi de 62,2% (IC 95% 54,7-69,3) na coorte de treinamento e de 53,2% (IC 95% 47,0-59,4) na coorte de validação.

Em pacientes com progressão da doença, o microbioma foi mais diversificado que o observado em pacientes sem progressão. “Embora não houvesse uma via estatisticamente significativa a ser validada para o endpoint primário sob o método de Bonferroni, descobrimos que a invasão bacteriana da via de células epiteliais na via KEGG foi associada ao resultado clínico de Nivo em ambas as coortes de treinamento (p = 0,057) e de validação (p = 0,014)”, descrevem os autores. A regulação positiva foi relacionada à progressão da doença na primeira avaliação para o tratamento com Nivo e análise exploratória  mostrou que os gêneros Odoribacter e Veillonella foram positivamente associados à resposta a Nivo em ambas as coortes.

“Nosso estudo translacional indicou pela primeira vez que a invasão bacteriana da via das células epiteliais no microbioma intestinal pode se tornar um novo biomarcador para o tratamento com Nivo em CG avançado. Além disso, encontramos microbioma específico do câncer gástrico para prever a resposta aos inibidores de checkpoint imune”, concluem os autores.

Referências: Genomic pathway of gut microbiome to predict efficacy of nivolumab in advanced gastric cancer: DELIVER trial (JACCRO GC-08). - J Clin Oncol 39, 2021 (suppl 3; abstr 161)

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519