27112021Sáb
AtualizadoSex, 26 Nov 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO 2021

JAVELIN Merkel 200: dados de longo prazo de sobrevida global

andreia melo 2020 bxO anti-PD-L1 avelumabe se tornou o primeiro tratamento aprovado para pacientes com carcinoma de células de Merkel metastático (mMCC), com base nos dados de eficácia e segurança observados no ensaio de fase II JAVELIN Merkel 200 (NCT02155647). No ASCO 2021, os pesquisadores relataram os dados de sobrevida global em longo prazo da coorte de pacientes com mMCC cuja doença progrediu após ≥1 linha anterior de quimioterapia. “Esses resultados apoiam ainda mais o papel do avelumabe como tratamento padrão para esses pacientes”, avalia a oncologista Andreia Melo (foto), chefe da Divisão de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

O carcinoma de células de Merkel (MCC) é um câncer de pele raro e agressivo. Embora o MCC seja considerado quimiossensível, os pacientes geralmente apresentam um benefício de sobrevida limitado com a quimioterapia. Antes da aprovação dos inibidores de checkpoint imune, os pacientes com MCC metastático tinham um prognóstico ruim, com uma taxa de sobrevida global (SG) histórica em 5 anos de aproximadamente 14%.

No JAVELIN Merkel 200, pacientes elegíveis tinham MCC em estágio IV confirmado histologicamente, mensurável (RECIST 1.1), receberam 10 mg/kg de avelumabe por infusão intravenosa a cada 2 semanas até a progressão da doença, toxicidade inaceitável ou retirada do consentimento. A sobrevida global de longo prazo foi analisada; não foram obtidos dados atualizados para outros parâmetros de eficácia, incluindo resposta e sobrevida livre de progressão.

Resultados

O estudo inscreveu um total de 88 pacientes. Em 25 de setembro de 2020 (cutoff de dados), a mediana de acompanhamento foi de 65,1 meses (variação, 60,8-74,1 meses). A mediana de sobrevida global foi de 12,6 meses (95% CI, 7,5-17,1 meses); as taxas de SG em 48 e 60 meses foram de 30% (95% CI, 20%-40%) e 26% (95% CI, 17%-36%), respectivamente.

No cutoff de dados, o tratamento estava em andamento em 1 paciente (1,1%) e um paciente adicional (1,1%) havia reiniciado o avelumabe após a descontinuação anterior do tratamento. As razões para a descontinuação do tratamento foram progressão da doença (n = 45 [51,1%]), evento adverso (AE; n = 11 [12,5%]), morte (n = 10 [11,4%]), retirada do consentimento (n = 9 [10,2%]), perda de seguimento (n = 1 [1,1%]), não cumprimento do protocolo (n = 1 [1,1%]) e outro motivo (n = 10 [11,4%]).

Dezenove pacientes (21,6%) interromperam o tratamento, mas permaneceram em acompanhamento, e 63 pacientes (71,6%) morreram; as causas de morte foram progressão da doença (n = 49 [55,7%]), motivo desconhecido (n = 9 [10,2%]), EA não relacionado ao tratamento (n = 3 [3,4%]) e outro motivo (n = 2 [2,3%]).

No total, 26 pacientes (29,5%) receberam terapia anticâncer subsequente; sendo as mais comuns após a interrupção do estudo avelumabe (n = 4 [4,5%]), carboplatina e etoposídeo (n = 4 [4,5%]) e pembrolizumabe (n = 4 [4,5%]).

“A monoterapia com avelumabe levou a uma sobrevida global significativa a longo prazo em um subgrupo de pacientes com carcinoma de células de Merkel metastático cuja doença havia progredido após a quimioterapia”, concluem os autores.

Informações do ensaio clínico: NCT02155647

O estudo é financiado pela Merck KGaA, Darmstadt, Alemanha, como parte de uma aliança entre a Merck KGaA e a Pfizer

Referência: Abstract 9517 - Avelumab in patients with previously treated Merkel cell carcinoma (JAVELIN Merkel 200): Updated overall survival data after more than five years of follow up. - Paul Nghiem et al - Citation: J Clin Oncol 39, 2021 (suppl 15; abstr 9517) - DOI: 10.1200/JCO.2021.39.15_suppl.9517
Sessão: Poster Discussion Session - Melanoma/Skin Cancers

 

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519