27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2021

Prevalência e impacto das sequelas de COVID-19 em pacientes com câncer

paciente cancer mascara bxQual o impacto de longo prazo da Covid-19 em pacientes com câncer? Estudo selecionado entre os destaques do congresso anual da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO 2021) examinou os resultados clínicos de 2.795 pacientes com câncer e Covid-19, demonstrando que sequelas após a infecção afetam até 15% dessa população de pacientes, com influência adversa na sobrevida e nos resultados oncológicos.

Entre 1557 sobreviventes de COVID-19 registrados no OnCovid entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021, 234 (15%) relataram sequelas, incluindo sintomas respiratórios (49,6%), fadiga (41%) e disfunção cognitiva/psicológica (4,3%). Sequelas persistentes de COVID-19 foram mais prováveis ​​em homens (p = 0,0407) com mais de 65 anos (p = 0,0489) com ≥2 comorbidades (p = 0,0006) e história de tabagismo (p = 0,0004).

As sequelas foram associadas a história de hospitalização anterior (p <0,0001), doença complicada (p <0,0001) e terapia com COVID-19 (p = 0,0002). Com uma mediana de 128 dias de acompanhamento pós-COVID-19 (95% CI 113-148), a análise multivariável de sobrevida revelou sequelas associadas a um risco aumentado de morte (HR 1,76, 95% CI 1,16-2,66) após ajuste para sexo, idade, comorbidades, características do tumor, terapia anticâncer e gravidade do COVID-19.

De 473 pacientes que estavam em terapia anticâncer sistêmica (SACT) ao diagnóstico COVID-19; 62 (13,1%) interromperam definitivamente a terapia e 75 (15,8%) receberam ajustes de terapia sistêmica, respectivamente. As interrupções foram devido à piora do performance status (45,1%), progressão da doença (16,1%) e disfunção orgânica residual (6,3%). Os ajustes da terapia sistêmica tiveram o objetivo de evitar o comparecimento ao hospital (40%), prevenir imunossupressão (57,3%) ou eventos adversos (20,3%).

“As análises multivariadas mostraram que a descontinuação permanente está associada a um risco aumentado de morte (HR 4,2, 95% CI: 1,62-10,7), enquanto os ajustes da terapia sistêmica não afetaram adversamente a sobrevida”, observaram os autores.

Em conclusão, os resultados indicam que sequelas pós-COVID-19 afetam até 15% dos pacientes com câncer e influenciam adversamente a sobrevida e os resultados oncológicos após a recuperação. “Os ajustes da terapia sistêmica anticâncer podem ser realizados com segurança para preservar os resultados oncológicos em pacientes que permanecem elegíveis ao tratamento”, concluíram os autores.

O Imperial College London foi responsável pelo estudo (NCT04393974).

Referência: 1560O_PR - Prevalence and impact of COVID-19 sequelae on treatment pathways and survival of cancer patients who recovered from SARS-Cov-2 infection - A. Cortellini et al
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519