14062021Seg
AtualizadoQui, 10 Jun 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2021

FIRE 4.5 mostra resultados no câncer colorretal metastático com mutação BRAF V600E

rachel riechelmann 2021 bxSelecionado no programa do ASCO 2021, o estudo FIRE-4.5 (AIO KRK-0116) comparou FOLFOXIRI mais cetuximabe ou bevacizumabe em pacientes com câncer colorretal metastático com mutação BRAF V600E (mCRC) sem tratamento prévio para doença metastática. Quem comenta é a oncologista Rachel Riechelmann (foto), diretora do Departamento de Oncologia do A.C. Camargo Cancer Center e presidente do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG).

Neste estudo randomizado de fase II 1: 2, os pacientes receberam FOLFOXIRI a cada duas semanas no seguinte esquema: irinotecano 150mg / m² (30-90min, dia 1), ácido folínico 400mg / m² (120min, dia 1 ), oxaliplatina 85mg / m² (120 min, dia 1), seguido por 5-fluorouracil 3.000 mg / m², 48h. FOLFOXIRI foi combinado com bevacizumabe (braço A) na dose de 5 mg / kg de peso corporal, a cada 2 semanas ou cetuximabe (braço B) em uma dose de ataque de 400 mg / m² e doses semanais subsequentes de 250 mg / m². FOLFOXIRI foi aplicado por um máximo de 12 ciclos antes do tratamento de manutenção ser recomendado. O endpoint primário foi a superioridade do Braço B em relação à taxa de resposta global (ORR) de acordo com os critérios RECIST 1.1.

Endpoints secundários incluíram sobrevida livre de progressão (SLP), sobrevida global (SG) e dados de segurança. 

Resultados

De novembro de 2016 a dezembro de 2020, 108 pacientes foram randomizados em 90 centros alemães e 10 franceses (35 no braço A e 73 no braço B). Nenhuma toxicidade nova ou inesperada foi observada. Os dados reportados no ASCO 2021 mostram que o estudo não alcançou o endpoint primário, com ORR de 66,7% e 52,0% (p = 0,23) nos braços A e B, respectivamente. No entanto, embora os dados de sobrevida global ainda estejam imaturos, o tempo médio de SG foi comparável entre os dois braços no momento da análise. A SLP mediana foi superior no braço A vs braço B (8,3 meses vs 5,9 meses; logrank p = 0,03; HR 1,8). Pacientes com tumores primários do lado esquerdo tiveram resultados comparáveis ​​com bevacizumabe ou cetuximabe, enquanto aqueles com tumores primários do lado direito tiveram tendência a maior benefício com a combinação de bevacizumabe.

“FIRE-4.5 é o primeiro estudo prospectivo e randomizado a investigar a eficácia de FOLFOXIRI combinado com terapia-alvo no tratamento de primeira linha de mCRC BRAF V600E mutado. FOLFOXIRI mais bevacizumabe ou cetuximabe têm eficácia comparável com efeitos diferentes de acordo com a lateralidade do tumor primário, apoiando a heterogeneidade da subpopulação de pacientes com mCRC com mutação BRAF V600E”, destacam os autores.

Para Rachel, o estudo reforça o prognóstico reservado desse tipo de tumor, mostrando que provavelmente a quimioterapia é o tratamento efetivo. “A adição de anticorpos monoclonais tem papel incerto. Vale lembrar que nem toda mutação BRAF confere resistência a antiEGFR ou pior prognóstico. V600e está associada a pior prognóstico, sexo feminino, tumores do cólon direito. Já outras mutações BRAF não V600e não tem essas características”, observa. 

“Na segunda linha, o estudo BEACON mostrou que a combinação de antiEGFR e encorafenibe se tornou o padrão, pois demonstrou ganho de sobrevida global em comparação com irinotecano e cetuximabe. A droga está análise de aprovação na Anvisa”, conclui a especialista. 

Informações do ensaio clínico: NCT04034459. 

Referência: Randomized study to investigate FOLFOXIRI plus either bevacizumab or cetuximab as first-line treatment of BRAF V600E-mutant mCRC: The phase-II FIRE-4.5 study (AIO KRK-0116). - Sebastian Stintzing et al.

 

 
Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519