15052021Sáb
AtualizadoSex, 14 Maio 2021 2am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2021

Acompanhamento personalizado em sobreviventes de câncer de mama

Kelly de Ligt ok bxEstudo apresentado no ESMO Breast Cancer Virtual Congress 2021, que acontece entre os dias 05 e 08 de maio, mostrou que as sobreviventes de câncer de mama diferem amplamente em relação à carga de sintomas que experimentam após o tratamento, revelando a necessidade de abordagens personalizadas para cuidados de acompanhamento1. Kelly de Ligt, médica do Instituto de Câncer da Holanda, em Amsterdã, é a primeira autora do trabalho.

Avanços no diagnóstico e tratamento têm aumentado a sobrevida de pacientes com câncer de mama. Na maior parte da Europa, mais de 70% das pacientes sobrevivem pelo menos 10 anos após o diagnóstico, o que evidencia a importância de garantir a qualidade de vida dessa população.2

“Estudos anteriores avaliaram os efeitos colaterais experimentados após o final do tratamento como itens independentes, mas, na realidade, os sobreviventes geralmente experimentam vários sintomas que podem impactar sua rotina. Buscamos avaliar a carga geral sobre a qualidade de vida relacionada à saúde e ver se existem padrões sobre quais indivíduos precisam de gerenciamento ativo de sintomas”, esclarece de Ligt.

No estudo, foram incluídas sobreviventes de câncer de mama em estágios I-III tratadas cirurgicamente entre um e cinco anos após o diagnóstico. As participantes foram selecionadas do Registro de Câncer da Holanda (N = 876). Os pesquisadores avaliaram a carga experimentada de fadiga, náusea, dor, dispneia, insônia, apetite, constipação, diarreia, sobrecarga financeira e sintomas emocionais e cognitivos, e determinaram subgrupos de sobreviventes com base em padrões de carga de sintomas coexistentes.

Resultados

De 404 sobreviventes participantes (46%), 3 subgrupos de sobreviventes foram identificados: carga de sintomas baixa (n = 116, 28,7%) carga de sintomas intermediária (n = 224, 55,4%) e carga de sintomas alta (n = 59, 14,6%). O primeiro subgrupo relatou uma carga de sintomas menor em comparação com a população em geral. “Nesse subgrupo, que compreende quase um terço das pacientes, as mulheres foram menos afetadas em comparação com a média encontrada em uma amostra representativa de 1.300 mulheres da população geral da Holanda, que preencheram o mesmo questionário”, afirmou de Ligt.

O subgrupo intermediário experimentou sobrecarga semelhante à da população em geral, embora os escores de fadiga, insônia e sintomas cognitivos tenham sido um pouco piores.

O subgrupo alto teve pior carga de sintomas em comparação com a população em geral (diferenças clinicamente relevantes de médio a grande). Em comparação com o subgrupo intermediário, uma (razão de risco relativo (RRR): 2,75; CI: 1,22-6,19; p = 0,015) ou mais (RRR: 9,19; CI: 3,70-22,8; p = <0,001) comorbidades foram significativamente associadas com adesão ao subgrupo alto. Não Foram encontradas associações entre as características do paciente ou tratamento e subgrupos.

“Este foi o menor grupo, apenas 15% da nossa população, mas mesmo assim, uma em cada seis mulheres em nosso estudo teve pontuações piores do que a população geral para todos os sintomas - e as diferenças, variando entre 15 e 20 pontos percentuais, eram grandes o suficiente para serem consideradas não apenas estatisticamente significativas, mas também clinicamente relevantes”, observou a pesquisadora. “Esses achados confirmam a necessidade de abordagens personalizadas para o follow up de pacientes com câncer, alguns com necessidades de um acompanhamento mais próximo até cinco anos após o diagnóstico”, acrescentou.

Os resultados do estudo mostraram ainda que os pacientes com comorbidades, como doenças cardíacas e diabetes, eram mais propensos a experimentar uma alta carga de sintomas. “Pesquisas futuras devem tentar medir a qualidade de vida relacionada à saúde dos pacientes por meio do Patient Reported Outcome Measures (PROMs) antes e após o início do tratamento para câncer de mama para nos permitir medir o efeito da terapia”, observou de Ligt.

Referências:

1 - Abstract 134P_PR ‘Towards tailored follow-up care for breast cancer survivors: cluster analyses based on symptom burden’ will be available as e-Poster from Wednesday 5 May at 09:00 CEST. Annals of Oncology, Volume 32, Supplement 2, May 2021 

2 - F. Cardoso, S. Kyriakides, S. Ohno, F. Penault-Llorca, P. Poortmans, I. T. Rubio, S. Zackrisson and E. Senkus. Early Breast Cancer: ESMO Clinical Practice Guidelines. https://doi.org/10.1093/annonc/mdz173 
Publicidade
MULHERES NA CIÊNCIA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519