31102020Sáb
AtualizadoSex, 30 Out 2020 2pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ESMO 2020

Nova opção de tratamento de primeira linha para câncer renal metastático

A combinação de nivolumabe com o inibidor de tirosina-quinase cabozantinibe mostrou eficácia e perfil de segurança gerenciável em pacientes com câncer renal metastático, na comparação com sunitinibe. Os resultados são de estudo de Fase III apresentado na Sessão Presidencial I do ESMO 2020 e fornecem nova opção de tratamento de primeira linha para essa população de pacientes, com benefício consistente de sobrevida livre de progressão, sobrevida global e taxa de resposta.

Os pacientes elegíveis foram randomizados 1: 1 (estratificados por escore de risco IMDC, expressão de tumor PD-L1 e região geográfica) para N 240 mg dose fixa IV Q2W + C 40 mg PO QD versus S 50 mg PO por 4 semanas (ciclos de 6 semanas), até a progressão da doença ou toxicidade inaceitável (tratamento com N máx., 2 anos). O endpoint primário foi sobrevida livre de progressão (SLP) por revisão central independente e cega. Endpoints secundários consideraram sobrevida global (SG), taxa de resposta objetiva (ORR) e dados de segurança.

Resultados

651 pacientes (22,6% risco favorável, 57,6% risco intermediário, 19,7% risco ruim; 24,9% PD-L1 ≥1%) foram randomizados para nivolumabe mais cabozantinibe (N + C; n = 323) versus sunitinibe (S; n = 328). Em um período mediano de 18,1 meses de acompanhamento todos os endpoints de eficácia foram atendidos. N + C melhorou significativamente a SLP (HR 0,51 [IC 95% 0,41–0,64], P <0,0001; mediana, 16,6 versus 8,3 meses) e a SG (HR 0,60 [98,89% CI 0,40-0,89]; P = 0,0010; medianas não alcançadas) vs sunitinibe. Os resultados foram consistentes, independentemente do score de risco IMDC pré-especificado e em todos os subgrupos PD-L1. A ORR (IC de 95%) foi significativamente maior com N + C v S (55,7% [50,1–61,2] versus 27,1% [22,4-32,3]; P <0,0001), e 8,0% vs 4,6% dos pacientes obtiveram resposta completa. A mediana de duração de resposta foi de 20,2 vs 11,5 meses, novamente com superioridade do braço de combinação.

Em relação à segurança, eventos adversos de qualquer grau relacionados ao tratamento ocorreram em 96,6% vs 93,1% dos pacientes tratados com N + C v S (60,6% v 50,9% grau ≥3). Uma morte relacionada ao tratamento ocorreu com N + C vs 2 óbitos no grupo tratado com sunitinibe. Eventos adversos levaram à descontinuação de S em 8,8%, N ou C em 15,3%, N + C em 3,1%, N em 5,6% e C em 6,6% de pacientes.

Mais de 50% dos pacientes no braço da combinação precisaram reduzir a dose de cabozantinibe devido a eventos adversos. No entanto, apenas 3% tiveram que interromper os dois medicamentos em razão da toxicidade, em comparação com 9% dos pacientes no braço de sunitinibe. A taxa geral de eventos adversos graves foi semelhante entre os braços, mas a toxicidade hepática foi mais comum no braço da combinação. Quanto a eventos imunorrelacionados, 19% dos pacientes no braço experimental precisaram de corticosteroides.

Em conclusão, N + C demonstrou SLP, SG e ORR superiores na primeira linha de tratamento de pacientes com RCC metastático. O perfil de segurança desta combinação foi gerenciável e consistente com dados de segurança conhecidos de N e C como agentes únicos. Esses resultados suportam N + C como nova opção de tratamento para pacientes com RCC avançado. “A terapia combinada mostrou resultados clínica e estatisticamente significativos. O risco de progressão ou morte foi reduzido em quase 50%, a taxa de morte caiu 40% e a taxa de resposta dobrou”, destacou o primeiro autor, Toni K. Choueiri, do Dana-Farber Cancer Institute.

Nova opção
 

“O ensaio CheckMate 9ER alcançou seu desfecho de eficácia e a combinação pode ser considerada nova opção de tratamento de primeira linha”, analisa Dominik Berthold, do Departamento de Oncologia da Universidade de Lausanne. No entanto, o especialista argumenta que a comunidade médica está dividida sobre a adoção de duas imunoterapias ou de uma imunoterapia mais um agente antiangiogênico, uma vez que as diferentes combinações parecem ter eficácia semelhante. “Dados de longo prazo são necessários para o CheckMate 9ER: “Os 18 meses de acompanhamento ainda são muito curtos. A questão agora é saber se as respostas ao tratamento são duráveis ​​ou se os pacientes progridem em algum ponto. Também seria útil saber se a combinação de cabozantinibe e nivolumabe é eficaz no carcinoma de células não claras”, acrescentou Berthold.

Acerca da decisão de tratamento, ele lembra que a escolha de primeira linha pode ser determinante na seleção da terapia de segunda linha. “Se você começar com uma combinação de imunoterapia, a escolha automática será o uso de um antiangiogênico na segunda linha. Mas se você começar com a combinação de dois mecanismos de ação, como imunoterapia e um antiangiogênico, então a escolha de segunda linha é menos clara. São necessários mais dados sobre a sequência de tratamento mais adequada para toda a população, bem como para grupos específicos como alta carga tumoral”, destacou.

pfs graf checkmate 9er

os graf checkmate 9er

ob responde checkmate 9er

Assista entrevista exclusiva com Toni Choueiri, primeiro autor do CheckMate 9ER Trial:




Informações do ensaio clínico: NCT03141177.

Referência: Abstract 696O_PR ‘Nivolumab + cabozantinib vs sunitinib in first-line treatment for advanced renal cell carcinoma: first results from the randomized phase 3 CheckMate 9ER trial‘ will be presented by Toni K. Choueiri during the Presidential Symposium I on Saturday, 19 September, 18:30 - 20:10 CEST. Annals of Oncology, Volume 31 Supplement 4, September 2020

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519