24012021Dom
AtualizadoSex, 22 Jan 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO 2020

DESKTOP III: cirurgia citorredutora no câncer de ovário recidivado

CIRURGIA NET OKA análise final do estudo randomizado de fase III AGO DESKTOP III / ENGOT - ov20 sugere benefício da cirurgia citorredutora secundária no câncer de ovário recidivado, em pacientes selecionados. Os resultados são destaque do panorama de tumores ginecológicos no ASCO 2020. (Abstract 6000)

O papel da cirurgia citorredutora secundária no câncer de ovário recorrente (ROC) está em debate há décadas. Um estudo recente em pacientes não selecionados falhou em mostrar benefício de sobrevida global.

No estudo apresentado no ASCO 2020, pacientes com câncer de ovário recorrente e 1ª recaída após 6+ meses de intervalo livre de platina (TFIp) eram elegíveis se apresentassem um AGO-score positivo (PS ECOG 0, ascite ≤500 ml e ressecção completa na cirurgia inicial) e foram randomizados prospectivamente para quimioterapia de segunda linha isoladamente vs. cirurgia citorredutora, seguida pela mesma quimioterapia; foi recomendada terapia combinada de platina. A sobrevida global foi o endpoint primário neste estudo de superioridade.

Resultados

407 pacientes foram randomizadas entre 2010 e 2014. O intervalo livre de platina excedeu 12 meses em 75% das pacientes. 206 pacientes foram alocados para o braço da cirurgia, das quais 187 (91%) foram operadas. Uma ressecção completa foi alcançada em 75%; quase 90% em ambos os braços receberam quimioterapia de segunda linha com platina. A análise do endpoint primário mostrou mediana de sobrevida global de 53,7 meses com a cirurgia e 46,2 meses sem cirurgia (HR 0,76, 95% CI 0,59-0,97, p = 0,03); a mediana de sobrevida livre de progressão foi de 18,4 e 14 meses (HR: 0,66, 95% CI 0,54-0,82, p <0,001), o tempo médio para o início da primeira terapia subsequente (TFST) foi de 17,9 vs. 13,7 meses a favor do braço cirúrgico (HR 0,65 , 95% CI 0,52-0,81, p <0,001).

Uma análise de acordo com o tratamento mostrou um benefício de sobrevida global superior a 12 meses para pacientes com ressecção completa (RC) em comparação com pacientes sem cirurgia (mediana 60,7 vs. 46,2 meses); pacientes com cirurgia e ressecção incompleta foram piores (mediana 28,8 meses). As taxas de mortalidade em 60 dias foram de 0 e 0,5% no braço cirúrgico e não cirúrgico. As relaparotomias foram realizadas em 3,7% dos pacientes operados. Outros eventos adversos de grau 3/4 não diferiram significativamente entre os braços.

“Este é o primeiro estudo cirúrgico que demonstra um benefício significativo na sobrevida em câncer de ovário”, observam os autores. A cirurgia em pacientes com primeira recidiva e TFIp de 6+ meses selecionados por um AGO-Score positivo resultou em um aumento significativo de sobrevida global, sobrevida livre de progressão e tempo médio para o início da primeira terapia subsequente com morbidade aceitável e, portanto, deve ser oferecido a pacientes adequados. “O benefício foi visto exclusivamente em pacientes com ressecção completa RC, indicando a importância da seleção ideal de pacientes (por exemplo, pela pontuação da AGO) e de centros com experiência", acrescentam.

Clinical trial information: NCT01166737

Referência: Randomized phase III study to evaluate the impact of secondary cytoreductive surgery in recurrent ovarian cancer: Final analysis of AGO DESKTOP III/ENGOT--ov20 - Andreas Du Bois et al

First Author: Andreas Du Bois, MD, PhD

Meeting: 2020 ASCO Virtual Scientific Program

Session Type: Oral Abstract Session

Session Title: Gynecologic Cancer

Track: Gynecologic Cancer

Subtrack: Ovarian Cancer

Abstract #: 6000

Clinical Trial Registry Number: NCT01166737

Citation: J Clin Oncol 38: 2020 (suppl; abstr 6000) 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519