27022021Sáb
AtualizadoQui, 25 Fev 2021 10pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2020

Mundo real: radioterapia estereotática em pulmão

lilian faroni bxAnálise prospectiva selecionada para apresentação em pôster no WCLC 2020 relata a experiência do Americas Oncologia no tratamento de pacientes com radioterapia estereotática pulmonar entre 2016 e 2019. A especialista em radioterapia Lilian Faroni (foto), é a primeira autora do trabalho.

A SBRT é uma opção de tratamento para pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) primário, em estágios iniciais e doença oligometastática. No entanto, poucos trabalhos descrevem dados de mundo real em uma coorte da América Latina.

Nessa análise, todos os pacientes receberam radioterapia esterotática com VMAT (Volumetric Modulated Arc Therapy), com 4d-CBCT (Cone Bean CT - Simetry®). Os pesquisadores avaliaram o controle local por alvo SBRT, sobrevida livre de falha regional ou à distância e sobrevida global.

Foram incluídos 271 pacientes com um acompanhamento médio de 18 meses (6 a 96 meses), 74% deles homens (n ​​= 200), e mediana de 62 anos (37 - 98). As lesões primárias (n = 136) foram adenocarcinoma (n = 85; 63%), carcinoma escamoso (n = 43; 32%) e neuroendócrino (n = 6; 5%); para lesões secundárias (n = 135), 63% (n = 84) eram câncer de pulmão, 11% (n = 15) tumores gastrointestinais, 10% (n = 13) câncer de mama e 16% (n = 24) outros tipos de câncer.

Para tumores primários foram prescritas uma mediana de cinco frações (variação, 3 a 10 frações) e uma dose média total de 59 Gy (variação, 54 a 62 Gy) por lesão. Para lesões secundárias, o tratamento considerou uma mediana de cinco frações (variação de 3 a 10) e uma dose mediana total de 45 Gy (variação de 30 a 62 Gy).

O controle local de 3 anos para todos os pacientes foi 89,14%, sendo 93,48% em tumores primários e 76,8% em tumores secundários. As taxas de sobrevida global em 2 anos, para todos os pacientes foram de 67; 88,2% e 48,8% em tumores primários e secundários, respectivamente. Foram observadas toxicidades graus 3/4 em sete pacientes (3,8%): 5 pacientes com pneumonite grau 3; 1 pacientes com esofagite grau 3 e um pacientes com hemoptise fatal.

“O SBRT é eficaz e fornece bom controle local, sobrevida global e baixa toxicidade em um cenário do mundo real na América Latina”, concluíram os autores.

Referência: P19.09 - Lung Stereotatic Body Radiation Therapy: Outcomes from a Brazilian Cohort - Presenting Author(s): Lian Faroni
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519